Polícia

Caso Genivaldo: policiais têm 48h para apresentar nome de advogado

Por redação Portal A8SE 27/05/2022 15h59
Caso Genivaldo: policiais têm 48h para apresentar nome de advogado
PRF/SE

Os policiais envolvidos na abordagem que vitimou Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, na cidade de Umbaúba, região sul de Sergipe, têm o prazo de 48 horas para apresentar o nome dos advogados. A informação foi confirmada pela Polícia Federal.

Isso acontece porque a PF abriu um inquérito para apurar o caso, assim, os envolvidos na ação foram citados (notificados). Caso eles não apresentem um nome, o superintendente da PRF será informado para que comunique à Defensoria Pública da União, como prevê a lei.

PRF afasta policiais envolvidos em abordagem que vitimou homem com esquizofrenia em Umbaúba

Ainda de acordo com a Federal, eles já foram ouvidos. No dia do ocorrido, de forma espontânea e sem advogados, os agentes se apresentaram e deram suas versões sobre o ocorrido.

Relembre o caso

Genivaldo de Jesus estava em uma moto quando foi abordado pela PRF. Em vídeos gravados por testemunhas é possível ver que ele é imobilizado no chão pelos agentes, em seguida, colocado no porta-malas da viatura, onde foi liberado um tipo de gás.

Segundo familiares, ele tinha esquizofrenia e os policiais tinham sido avisados pelos populares que Genivaldo sofria com problemas mentais e que poderia morrer se permanecesse dentro do veículo. Mesmo assim, a ação continuou.

Em nota, no dia do fato, a PRF disse que "em razão da sua agressividade, foram empregados técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo para sua contenção e o indivíduo foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil em Umbaúba. Durante o deslocamento, o abordado veio a passar mal e foi socorrido de imediato ao Hospital José Nailson Moura, onde posteriormente foi atendido e constatado o óbito". No entanto, a família diz que ele chegou à unidade hospitalar já sem vida.

Sepultamento

O sepultamento de Genivaldo aconteceu na casa da família, no povoado Mangabeira. Participaram da despedida amigos, familiares e pessoas que se comoveram com o caso.

No final da manhã, o cortejo chegou à sede do município. O caixão foi levado até o local do protesto, momento de emoção e aplausos. Já no cemitério, muita dor e comoção. Além de pedidos por justiça