Sergipe

12/06/2019 às 16h18

Trabalhadores da UFS aderem à greve geral na sexta, 14

Ascom/Sintufs

Nesta sexta-feira (14), os trabalhadores e trabalhadoras técnica-administrativas em Educação da Universidade Federal de Sergipe (UFS) paralisam as atividades em adesão à Greve Geral contra a reforma da Previdência.  A atividade foi convocada pelo Fórum das Centrais Sindicais, Frente Povo Sem Medo e Frente Brasil Popular.

Assim como os rodoviários de Aracaju, bancários, trabalhadores dos Correios, servidores dos Institutos Federais, Previdência, Deso, Cohidro, professores das redes estadual e municipais, docentes da UFS, petroleiros, servidores de conselhos, assistentes sociais - dentre uma série de categorias fundamentais para o funcionamento do campo e da cidade – os trabalhadores da UFS vão às ruas contra os ataques do Governo Federal.

A paralisação foi aprovada em assembleia da categoria, ocorrida no dia 28 de maio. Os servidores lotados nos Hospitais Universitários devem manter o número de funcionários em 30% do efetivo. Em Sergipe, além de uma série de ações previstas para o período da manhã, está marcado um grande ato unitário a partir das 15h, com concentração na Praça General Valadão. A manifestação deve seguir em direção ao bairro 13 de julho.

A Proposta de Emenda Constitucional 06/2019 tramita na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. Os últimos detalhes para a realização unificada da Greve Geral em Sergipe foram definidos em reunião, na manhã desta quarta-feira (12), na sede da CUT Sergipe. A reunião contou com a presença de diversos setores do movimento popular, coletivos de juventude, partidos políticos e mandatos parlamentares.

A proposta de reforma da Previdência estabelece uma série de ataques à Seguridade Social dos trabalhadores brasileiros como aumento geral do tempo de contribuição, mudanças na Aposentadoria Rural, diminuição do Benefício de Prestação Continuada (BPC), a criação do Regime de Capitalização na Previdência e a desconstitucionalização da pasta.

 


Fonte: Ascom/Sintufs