Sergipe

14/06/2017 às 08h35

Mudanças no estacionamento do HUSE são realizadas para evitar roubos

Agência Sergipe de Notícias

A superintendência do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) está realizando um estudo para reorganização das vagas de estacionamento da unidade, que é o maior hospital da Rede Estadual de Saúde. A reorganização foi uma medida solicitada pela Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito de Aracaju (SMTT) e além de liberar vagas para as ambulâncias, vai garantir mais conforto e segurança para visitantes e funcionários do Huse.

Diariamente cerca de 800 veículos passam pelo unidade de saúde e todo o espaço do estacionamento tem sido monitorado por 38 vigilantes, que regulam as entradas e saídas. Foi verificado que o estacionamento tem sido utilizado de forma indevida por pessoas que desejam guardar o carro no Huse enquanto utilizam serviços do Terminal Rodoviário Rollemberg Leite, localizado ao lado do hospital.

As mudanças advindas da redistribuição das vagas implicam na reestruturação dos fluxos entre funcionários e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no local. Por meio dessas alterações, o estacionamento do Huse será reorganizado em grupos, com vagas específicas para funcionários, espaço para circulação de ambulâncias em frente à ala vermelha e ao pronto socorro do hospital.

De acordo com o gerente de segurança do hospital, Charles Belchior, além dessas reservas, o estacionamento do Huse ainda disponibilizará 120 vagas para uso de pacientes, acompanhantes e visitantes e haverá vagas determinadas para alguns sertores. “Mais 130 vagas serão destinadas à oncologia do hospital, em benefício dos trabalhadores e visitantes, considerando que este espaço é também utilizado por veículos grandes que transportam grande número de pacientes provenientes do interior do Estado, ou seja, não carece de grande número de vagas para os mesmos”, explicou o gerente de segurança.

Segundo Charles, o Huse disponibilizará um vigilante para cada área restrita do estacionamento, inclusive para as guaritas de entrada e central. Esses seguranças registrarão a entradas e a saídas de automóveis dos profissionais da saúde, sendo esses já cadastrados na gerência de segurança do Huse e já munidos de adesivo distribuído pela própria gerência para facilitar a identificação do veículo. O trabalhador só terá acesso à unidade com um automóvel se o mesmo estiver com o adesivo.

“O acompanhante que desejar ter acesso ao Huse com o paciente poderá se dirigir até a entrada do pronto socorro e logo em seguida terá que estacionar o seu veículo na área reservada aos acompanhantes ou visitantes. Em casos onde houver quaisquer anormalidades nesse fluxo a gerência de segurança do Huse irá intervir e em situações extremas poderá acionar policiais militares do BESP [Batalhão Especial de Segurança Patrimonial] ou até mesmo do Getam [Grupamento Especial Tático de Motos]”, ressaltou Belchior.

Outras medidas de segurança

Para garantir o controle de pessoas no Huse, os grupos que tradicionalmente realizam distribuição voluntária de alimentos foram cadastrados e agora obedecem a um cronograma para utilização do antigo refeitório. O espaço foi reestruturado especialmente para a realização desses serviços solidários, visto que acabava atraindo pessoas que não estavam utilizando os serviços do hospital. A medida tem contribuído para que somente visitantes ou acompanhantes usufruam desses serviços, evitando assim o grande contingente no hospital e em conseqüência, os riscos de infecção.

A gerência de segurança do Huse deu início à implantação de medidas de segurança em abril deste ano, quando o portão de acesso à guarita central do hospital passou a estar aberto em horários determinados, sendo eles 6h30 às 7h30, das 12h30 às 13h30 e das 18h30 às 19h30. Nos outros horários do dia o fluxo ocorre pela entrada principal do hospital.

O fechamento do portão foi motivado por alguns acessos irregulares de pessoas que não se caracterizaram como pacientes, acompanhantes ou visitantes. A direção do Huse chegou a encontrar algumas facas escondidas dentro da unidade hospitalar, o que evidenciou ainda mais a necessidade de ações de proteção aos que freqüentam e trabalham no hospital.

O fluxo dessas pessoas esteve gerando roubos e ameaças constantes nos estacionamentos. Para o gerente de Humanização da unidade, Elder Magno, as medidas de segurança são necessárias. “Se essas medidas surgem com garantia de direitos e facilidades de acesso aos que realmente necessitam da assistência, são elas bem vindas”, declarou o gerente.


Fonte: Agência Sergipe de Notícias