Sergipe

19/11/2011 às 08h14

Família de homem morto em troca de tiros afirma que houve engano da polícia

Redação Portal A8
Para a família José Adailson é inocente e foi torturado antes de morrer (Foto: Reprodução/ TV Atalaia)

Familiares de José Adailson Costa, 35 anos, morto em uma troca de tiros com a polícia no povoado Junco, município de Areia Branca, estão revoltados. Para a família ele era inocente e estava no local, pois trabalhava como caseiro do imóvel.

De acordo com a prima da vítima, Priscila de Santana Costa, ele já estava trabalhando no local há oito meses. "Meu tio já tinha ido várias vezes visitar ele lá na chácara, inclusive dormiu na casa e nunca ninguém viu esses homens nem ninguém estranho", declarou.

Ainda segundo informações de familiares, o rapaz foi torturado antes de morrer. "O laudo médico constatou que ele sofreu agressões, inclusive estava com o pescoço quebrado. Não foram só os tiros que mataram ele", afirmou a prima de Adailson.

A família e amigos de José Adailson questionam a ação da polícia e pedem as provas de que ele era culpado de todas as acusações. "Se ele era traficante cadê a droga? Nossa família está arrasada e não sabemos o que aconteceu, queremos uma satisfação, pois para nós ele morreu inocente", desabafou Priscila de Santana que ressaltou. "Uma das acusações é de que ele era atirador de elite, mas isso é impossível, pois ele era deficiente e o exército não aceita a entrada de pessoas assim", revelou.

José Adailton, vizinho da vítima, também se mostrou assustado com tantas acusações. "Conheço ele desde criança e ele sempre foi uma pessoa boa e trabalhador. São muitas acusações sem sentido, ele nunca foi preso e nunca se envolveu com esse tipo de gente", afirmou.

Nota

Segundo o delegado de lagarto, Fábio Pimentel, a policia tem provas, inclusive filmagens que mostram José Adailson Costa, dando apoio aos outros dois acusados, os irmãos Joel Fraga e Joelson Fraga. Ainda de acordo com o delegado, há informações que eles também chegaram a ameaçar juízes e promotores sergipanos.