Política

30/04/2020 às 16h24

Secretário responde sobre planejamento do governo e controle do corona nos presídios

Rede Alese

Na  videoconferência  realizada na manhã desta quinta-feira, 30, entre os deputados estaduais da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) e

o secretário de Estado da Saúde (SES), Valberto de Oliveira Leite, a deputada Maria Mendonça expressou preocupação quanto a capacidade de sistema de saúde estadual, e questionou ao gestor público se o Governo de Sergipe está preparado  para a possibilidade de um pico de contágio por COVID-19. A deputada também preocupou-se com a superlotação dos presídios, frente a necessidade do espaçamento entre os encarcerados diante da pandemia.

Em resposta aos questionamentos da parlamentar, o secretário Valberto  explicou que Governo do Estado vem passando por grandes pressões para fazer o melhor dentro do sistema estadual de saúde, pois os impactos trazidos pela propagação do novo coronavírus abalou vários setores.

“O Brasil e o mundo está aprendendo a lidar com o COVID, até mesmo os Centros de Medicina Avançada estão aprendendo a lidar com a situação, e  nós não somos diferentes. Vivemos as mesmas perguntas e preocupações. As decisões que  tomamos de dia, já não são mais repetidas de noite. Por isso estamos frequente em  reuniões contínuas, as mudanças são necessárias e  rápidas, para melhor atender  a população e  assim prevenir o contágio”, declarou o secretário.

Controle  e  Planejamento

Sobre a distanciamento social,  aglomerações, assunto também abordado por a deputada Maria a cerca do descumprimento por parte da população, o secretário Valberto explicou que embora o Governo vir trabalhando de forma  intensificada para controlar o contágio, por meio de medidas  de isolamento social e até ampliando os números de testagens na população, há casos de pessoas gripadas em casa, com corona, e que não aparecem nas unidades de para fazer exames. “Esse povo escapa do nosso controle e isso nos preocupa muito. E isso serve de critério para avaliar o aumento do contágio, e a gente não quer que aconteça”, lamentou.

“Nesse tempo de Pandemia, não estamos tratamos a Rede Privada diferente da Rede Pública, formou-se  a Rede de Saúde de Sergipe. Se um paciente com plano de saúde ao encontrar a rede privada superlotada, ele irá para a pública. Não há limites.  Feito isso, com a união da rede,  hoje temos um total de 146 leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) disponíveis. Contudo, com a  instalação de respiradores no hospital de Estância,  e nos hospitais Renascença e São José, a Rede de Saúde  de Sergipe passará a ter 245 leitos, juntando enfermarias e UTI”, destacou o secretário de Saúde.

Presidiários

Quanto ao surgimento de casos por coronavírus nos presídios, o secretário da Saúde explicou que era previsível a ocorrência de casos, mas que a situação está sob controla das pastas da Saúde e da Segurança. Ressalta que vem mantendo interface com a secretaria de Segurança, Cristiano Barreto, e que o Governo do Estado vem tentando equacionar um antigo problema no sistema prisional quanto  a  falta do  profissional de saúde para dar assistência aos presidiários.

“Estamos com essa situação quase resolvida. Colocamos contêiner para agilizar atendimentos, e  estamos retirando os detentos  gripados dos presídios e os enviando para Areia Branca, a situação está bem planejada”, garantiu.


Fonte: Rede Alese