Levantamento

Censo Demográfico 2022: em Sergipe, 70% da população foi recenseada

As cidades com maiores dificuldades para coleta estão localizadas na Região Metropolitana

Por redação Portal A8SE 03/10/2022 16h19
Censo Demográfico 2022: em Sergipe, 70% da população foi recenseada
IBGE

Nesta segunda-feira (3), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou uma nova parcial sobre o balanço da coleta do Censo Demográfico 2022. Até o momento, foram recenseadas 1.615.234 pessoas em Sergipe, em 568.128 domicílios, o que representa 70% do esperado. Assim, o estado é o segundo com maior percentual de população estimada já recenseada do país.

Já é possível observar que a população tem um maior perfil populacional feminino, com 844.442 mulheres e 769.404 do sexo masculino. Ainda, o número de pessoas idosas tem crescido no estado.

A novidade desta divulgação se dá pelo balanço da coleta nos municípios sergipanos. Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora Aparecida e Feira Nova ultrapassaram o percentual de população estimada pelo IBGE, o que pode indicar o crescimento populacional nesses municípios.

“Além disso, nove municípios sergipanos estão com mais de 90% da população estimada recenseada, dentre eles, Muribeca, Japoatã, Ilha das Flores, Simão Dias, Telha e Malhada dos Bois. [...] Além disso, outros municípios nas proximidades também estão com cerca de 60% da população coletada, como Santo Amaro das Brotas (66,1%), Laranjeiras (58,2%) e Pirambu (60,4%)”, especificou o IBGE.

Em contrapartida, as cidades com maiores dificuldades para coleta são Aracaju (58,6%), Nossa Senhora do Socorro (56,3%), São Cristóvão (64,7%) e Barra dos Coqueiros (69,9%).

“Os principais motivos dessa criticidade se dá por conta das ausências, sobretudo, na região metropolitana de Aracaju. Por exemplo, em relação ao percentual de domicílios com morador ausente, a Barra dos Coqueiros se destaca, chegando a 10,3% dos domicílios visitados”, explica o IBGE.

Pedra Mole é o único município com menos de 50% da população recenseada, que atingiu 46,5%. Em todo o estado, 1,4% dos domicílios se recusaram a responder, percentual que se espera ser reduzido até o final da operação, após aplicados todos os protocolos de insistência.