Sergipe

26/08/2020 às 17h52

Secretaria de Saúde alerta para risco de hipoglicemia em recém-nascidos

Agência de Notícias Sergipe

A hipoglicemia é caracterizada pelo açúcar baixo no sangue. É um distúrbio metabólico bastante comum no período neonatal. A triagem de bebês em risco e o manejo de baixos níveis de glicose no sangue desde as primeiras horas até 48h de vida (período de hipoglicemia transitória por adaptação à vida extrauterina) são um problema frequente no cuidado ao recém-nascido. Quem explica é a médica pediatra da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), Renata Tavares.

“Estudos apontam que a hipoglicemia ocorre em até 19% dos recém-nascidos em geral e em até 51% desses bebês, considerados de risco. No contexto de uma maternidade de alto risco, como a MNSL, isso é mais frequente. A médica diz que é importante esclarecer que bebês saudáveis apresentam uma queda esperada nas concentrações de glicose no sangue imediatamente após o nascimento, com o clampeamento do cordão umbilical, período esse chamado de hipoglicemia transitória. “No entanto, para a maioria dos bebês saudáveis, essa hipoglicemia neonatal de transição é assintomática”, observou Renata.

Sintomas

Ela disse que a preocupação médica e assistencial é ainda maior quando a hipoglicemia neonatal não é contornada a contento gerando repercussões ao bebê a curto e a longo prazo que estão relacionadas à privação de glicose no sistema nervoso. “Os sintomas, quando presentes, são inespecíficos podendo ser apatia, recusa alimentar, náuseas, vômitos, choro débil, irritabilidade, tremores finos de extremidades, extremidades arroxeadas, aumento ou diminuição a frequência cardíaca, parada respiratória e convulsão. E a longo prazo, a hipoglicemia prolongada ou sintomática pode resultar em déficits no desenvolvimento neurológico”, explicou a médica.

Ela ressaltou ainda que o diagnóstico e manejo dessa situação clínica é um desafio na prática médica neonatal, o que reforça a necessidade de discussões científicas baseadas nas últimas revisões de literatura para estabelecer um protocolo assistencial coerente.

Na próxima quinta-feira(27), às 20h, a equipe médica neonatal, bem como as equipes multidisciplinares do Complexo Neonatal, do Centro Obstétrico e do Internamento estarão virtualmente conectados para a apresentação e discussão do protocolo assistencial do manejo de hipoglicemia neonatal a ser ministrado por Renata Tavares, médica pediatra da MNSL com a mediação de Roseane Porto, diretora técnica e médica neonatologista da instituição. 


Fonte: Agência de Notícias Sergipe