Sergipe

29/05/2020 às 15h11

Covid- 19: Lacen processa em média 400 testes por dia

SES

O Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen) reforçou os trabalhos para realização do diagnóstico da Covid-19. A medida visa

Foto: ASCOM/SES
adiantar o processamento, extração e amplificação do material genético do vírus através da técnica de biologia molecular, RT-PCR em tempo real. Atualmente, o Lacen processa uma média de 400 testes por dia com a extração manual, e tem capacidade para fazer 800 exames diariamente.

Segundo dados do laboratório de Biologia Molecular de março a até hoje, a unidade recepcionou um total de 16.200 amostras de material coletado de pacientes para detecção da Covid-19. Todo o material que chega a unidade são oriundos das unidades de saúde que atende o Sistema Único de Saúde (SUS), além dos hospitais que atendem pacientes de planos de saúde.

A bióloga Gabriela Bezerra, gerente do setor, adverte que o Lacen não realiza a coleta de amostras para análise do coronavírus. ”Recebemos apenas o material que passará pelo teste para o diagnóstico molecular pela pesquisa viral. A triagem do paciente e a coleta da amostra são feitos pela unidade que solicita o serviço”, salientou.

De acordo com o superintendente do Lacen, o farmacêutico bioquímico, Cliomar Alves está sendo aguardado o envio dos kits automatizados para acelerar uma das etapas, que é a da extração do RNA do vírus. “Com a ausência desse produto, os profissionais estão executando essa parte da análise manualmente. Por causa dessa alteração houve ampliação do prazo da liberação dos resultados”, explicou o superintendente da unidade, o farmacêutico bioquímico, Cliomar Alves.

O gestor informou que o atraso do kit de extração ocorre em todos os Lacens do Brasil e que a situação é decorrente da alta demanda nacional para o coronavírus e de um processo de importação. “O Governo do Estado, a Secretaria de Estado da Saúde e a Fundação Parreiras Horta estão trabalhando empenhados em buscar alternativas na liberação dos exames, para isto contratou cerca de trinta profissionais e nesse momento esta sendo priorizado pacientes graves que se encontram com síndrome respiratória aguda grave em hospitais, os resultados destes, são liberados em 24 horas”, frisou Cliomar.

Diante da falta do insumo, o prazo de liberação dos resultados pode chegar a uma média de 10 dias. O procedimento é executado em amostras de secreção de naso e orofaringe de pacientes com sintomas e suspeita de infecção pelo vírus. Esse trabalho acontece em regime de plantão durante 24 horas.


Fonte: SES