Sergipe

17/01/2020 às 15h31

44% dos bairros de Aracaju ainda estão com médio risco infestação pelo Aedes aegypti

Agência Aracaju de Notícias

Aracaju inicia 2020 em baixo risco para o aparecimento de surtos ou epidemias causadas pelo Aedes aegypti. De acordo com o 1º Levantamento Rápido do Índice de

Foto: Ana Lícia Menezes/PMA
Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) deste ano, a capital sergipana se manteve em 0,9 de Índice Predial, o que representa uma queda de 25% em relação ao início do ano passado. Além disso, atualmente, nenhum bairro da cidade está em alto risco de infestação. Dos 43 bairros de Aracaju, 56% estão com baixo risco (24 localidades) e 44% (19) com médio risco. Estas informações foram apresentadas na manhã desta sexta-feira (17) em coletiva de imprensa, pelo prefeito Edvaldo Nogueira.

“O trabalho de combate ao mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya é constante desde o início da nossa gestão, mas foi intensificado no ano passado, o que fez com que alcançássemos resultados positivos muito efetivos. Aracaju hoje está em baixo risco de infestação e não temos nenhum bairro em alto risco. É motivo de comemoração, mas sabemos que estamos numa guerra e, por isso, não podemos baixar a guarda. O nosso trabalho é contínuo, pois há um alerta do Ministério da Saúde de possibilidade de surto no Nordeste a partir de março. Por isso, estamos tomando todas as medidas preventivas para que a nossa cidade se mantenha bem e vença mais uma vez esta batalha”, afirmou o prefeito.

Neste sentido, Edvaldo chamou a atenção para a colaboração da população. “Esta é uma ação que envolve duas partes: o Poder Público, que tem cumprido o seu papel, mas o envolvimento da comunidade é fundamental. Mais de 95% dos criadouros estão dentro das residências, então é preciso que a população também se engaje”, disse. Da mesma forma, a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza, pediu o apoio do cidadão. “É preciso mais conscientização da comunidade. O que percebemos é que a gente chega num determinado bairro, visita as residências, orienta a população e há melhoria nos índices, mas quando saímos para outras localidades e passa-se um tempo, aquele primeiro bairro volta a ter elevação da infestação. O cidadão não pode descuidar”, alertou.

A Prefeitura de Aracaju intensificou o Combate ao Aedes aegypti no ano passado após a publicação do 4º LIRAa, quando a cidade apresentou o maior índice de 2019 (2,6), chegando a ficar entre as cidades com médio risco de infestação. Com isso, de julho de 2019 a janeiro de 2020, houve uma queda de 65,4% nos índices de infestação. Em novembro, data do último levantamento, dois bairros estavam em alto risco de infestação (Cidade Nova e Dom Luciano). Em ambos, após o trabalho da Prefeitura, o risco baixou: no Cidade Nova caiu de 4,6 para 1,8, enquanto no Dom Luciano caiu de 4,1 para 1,5.Também houve redução significativa nos bairros Santo Antonio (de 3,6 para 1,3), Industrial (de 2,4 para 1,4) e no Porto Dantas (de 2,2 para 0,7).

Houve ainda uma mudança no comportamento dos criadouros. 65,9% deles estão agora em reservatórios de água (lavanderias, tonéis, caixas d’água) - antes eram de 74,5%, enquanto houve um aumento de criadouros em outros depósitos domiciliares, a exemplo de vasos de plantas, ralos e lajes. Foi de 22,4% para 31,9%  Em locais que acumulam lixo, o índice se manteve em 2%.

Levantamentos

Ao longo deste ano, serão realizados seis levantamentos pela Prefeitura. O trabalho ocorrerá a cada dois meses, seguindo a orientação do Ministério da Saúde, com objetivo de verificar o índice de infestação do mosquito nos bairros da capital. Durante as coletas do LIRAa, serão visitados os imóveis de cada região da cidade, a fim de detectar larvas do Aedes aegypti. As larvas encontradas, serão coletadas e encaminhadas ao laboratório no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), que confirma se realmente são do Aedes.

Com base nos resultados de cada levantamento, a Prefeitura norteia as estratégias de combate ao mosquito, intensificando, sempre, as ações, nas localidades em que os índices se mostram elevados. Em 2019 foram realizadas 919.308 visitas em domicílios, 23.058, em terrenos baldios e 8.863 em pontos estratégicos. Também foram feitas 24.388 visitas noturnas, de julho a dezembro, em 28 bairros. Com relação ao Fumacê Costal, foram realizadas aplicações em 37 bairros, durante 174 dias. Em 2019, foram notificados 3.096 casos de Dengue, Chikungunya e Zika em Aracaju, dos quais 1.763 foram confirmados, e quatro evoluíram para óbito.

Plano de intensificação

O Plano de Intensificação de Combate ao Aedes aegypti foi implantado no município em 28 de junho de 2019, por determinação do prefeito Edvaldo Nogueira. A ação envolveu diversas secretarias e teve como objetivo colocar em práticas ações preventivas para diminuição dos índices registrados na capital. Entre as medidas estiveram os mutirões aos sábados, que somaram 34, ao todo, e contemplaram os bairros Japãozinho, Santa Maria, Olaria, José Conrado de Araújo, Santo Antônio, Industrial, Dom Luciano, Pereira Lobo, Cidade Nova, Palestina e Jardim Centenário.

Em 2020, o primeiro mutirão ocorreu no último dia 10, na Palestina. Os próximos acontecem nos dias 18 de janeiro (Pereira Lobo), 25 de janeiro (Salgado Filho), 1º de fevereiro (Capucho), 8 de fevereiro (Santa Maria) e 15 de fevereiro (Cidade Nova). “Vamos intensificar o trabalho, que já se mostrou eficaz no ano passado. Neste sentido, manteremos as visitas de casa em casa, os mutirões aos fins de semana, o trabalho noturno, o fumacê costal nas áreas indicadas, pois nosso intuito é diminuir ainda mais o número e melhorar a ação em alguns bairros que apresentaram crescimento da infestação”, declarou o gerente do Programa Municipal de Controle do Aedes aegypti da Secretaria Municipal da Saúde, Jeferson Santana.


Fonte: Agência Aracaju de Notícias