Sergipe

07/10/2019 às 11h26

Trinta conselheiros tutelares são eleitos em Aracaju

Com informações de Secretaria de Assistência Social

Neste domingo, 6 de outubro, quase 26 mil aracajuanos elegeram os 30 conselheiros tutelares e seus suplentes que atuarão no município de Aracaju a partir de janeiro de 2020. Ser conselheiro tutelar significa ser responsável por uma série de tarefas. Entre elas, o acompanhamento de crianças e adolescentes nas hipóteses de descumprimento de proteções previstas em seu estatuto, aplicando algumas medidas e, ainda, atender e aconselhar pais ou responsáveis, promovendo a conscientização dos cuidados necessários na garantia de direitos desse público.
Conheça os 30 conselheiros tutelares eleitos:

I DISTRITO:

1º Iolanda Coelho – 745 votos
2º Jane – 502 votos
3º Alex Canela – 406 votos
4º Kadja – 378 votos
5º Letícia Feitosa Araújo Santos – 276 votos

II DISTRITO:
1º Cícera – 416 votos
2º Jucélia – 391 votos
3º Paula Matos – 380 votos
4º Claudinho – 336 votos
5º Vânia – 294 votos

III DISTRITO:

1º Flor Jurubeba – 342 votos
2º Dedé – 304 votos
3º Pereira – 304 votos
4º Marquinhos – 238 votos
5º Álvaro da Saúde – 230 votos

IV DISTRITO:

1º Kátia da Fateca – 470 votos
2º Adilson Dias – 452 votos
3º Diego dos Santos – 446 votos
4º Uedson Barbosa da Silva – 443 votos
5º José Carlos dos Santos – 362 votos

V DISTRITO:

1º Ary do São Carlos – 827 votos
2º Alex Yolle – 535 votos
3º Alisson Santos Silva – 491 votos
4º Silvania Mãozinha – 489 votos
5º Meire – 479 votos

VI DISTRITO:

1º Raposa – 307 votos
2º Tiele - 302 votos
3º Aline – 276 votos
4º Antony – 263 votos
5º Josineide Antônia Silva Santos – 196 votos

Realizado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), em parceria com a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Assistência Social, e com o apoio do Ministério Público de Sergipe e do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE), o pleito contou com 28 locais de votação por toda a cidade. Mais de 400 servidores e profissionais de entidades não-governamentais trabalharam no processo de escolha da capital sergipana.


Fonte: Com informações de Secretaria de Assistência Social