Sergipe

07/10/2019 às 08h22

Mutirão de monitoramento e limpeza é realizado para conter manchas de óleo

Agência Aracaju de Notícias
Durante todo o final de semana, uma força tarefa intensificou as ações para conter os efeitos da mancha de óleo que chegou a Aracaju na última sexta-feira, 4, e atingiu os nove estados do Nordeste. No domingo, 6, os trabalhos continuaram concentrados no monitoramento e limpeza das praias de forma incisiva com diversas frentes de atuação. 
 
A força tarefa envolve a Prefeitura de Aracaju, Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema); a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb); a empresa contratada pela Petrobras; o Governo do Estado, através da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema); demais órgãos ambientais, como o Ibama;  além de voluntários.
 
Conforme o secretário municipal do Meio Ambiente, Alan Lemos, no início da manhã deste domingo, representantes da Sema, Ibama e da Adema realizaram um sobrevoo para verificar a situação do alto e, assim, preparar melhor as ações de contenção e limpeza de forma ágil e eficaz.“Fomos em direção ao Litoral Sul, até a Praia do Saco, e retornamos a partir do Rio Sergipe. Conseguimos ver todas as praias de Aracaju e, no momento, verificamos que houve uma melhora nas condições gerais das praias. No entanto, o trecho mais complicado é entre a Cinelândia e a Aruana. Mesmo não tendo muita contaminação de ontem para hoje, ainda há muito o que recolher”.
 
Apesar de não haver iminência de qualquer mancha grande que possa chegar às praias, entre hoje e amanhã, o secretário fez uma ressalva. “Esse óleo tem uma particularidade. Ele é muito viscoso, então, pode estar submerso e a gente pode não conseguir perceber antes de estar muito próximo. Assim, delineamos os locais prioritários onde as equipes vão atuar”, declarou.
 
Baseadas nas conclusões feitas através do sobrevoo, as equipes estão realizando ações de monitoramento. “Há uma preocupação em relação ao Rio Vaza Barris. Estamos checando se uma mancha que vimos no sobrevoo se trata de óleo. Junto com a Adema, coletaremos amostras da água para confirmar se é óleo. Designamos uma equipe para monitorar o local. Por enquanto, estamos verificando todas as possibilidades e reforçando a atuação”, frisou Alan.
 
Na limpeza das praias, a Prefeitura designou três equipes da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) para atuar, sobretudo, no trecho mais atingido.
 
Medidas emergenciais
 
Durante uma reunião, ocorrida na tarde do último sábado, 5, na sede da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurbs), a Prefeitura de Aracaju e demais órgãos estaduais e ambientais definiram ações emergenciais em função da mancha de óleo.
 
Com a instalação de um Gabinete de Crise, ficou definida a decretação de situação de emergência na faixa litorânea dos municípios atingidos pelo derramamento do óleo; e recomendação à população a não utilização das praias, bem como não retirar, por conta própria, nenhuma substância, mesmo com o intuito de ajudar.
 
À medida em que novas ações forem adotadas, os integrantes do Gabinete de Crise manterão a população devidamente informada.
 
Mancha de óleo 
 
Desde que a mancha de óleo chegou ao litoral sergipano, os órgãos municipais, estaduais e de viés ambiental têm somado forças para conter e monitorar os danos causados pelo ocorrido. Assim, já na sexta-feira, 4, uma força tarefa começou a percorrer as praias atingidas com o intuito de tomar as primeiras medidas para a mitigação do acidente ambiental. No sábado, 5, os trabalhos continuaram.
 
De acordo com análise feita pela Petrobras, a substância densa, viscosa, de coloração preta e com capacidade de boiar na água é petróleo cru e não provém do Brasil, embora a origem ainda não tenha sido esclarecida. A equipe de fiscalização ambiental da Sema está levantando, inicialmente, uma estimativa do dano, do impacto ambiental da situação, e verificando o que pode ser feito para mitigar o efeito do óleo.

Fonte: Agência Aracaju de Notícias