Sergipe

25/06/2019 às 16h39

Huse registra: 70% das vítimas de queimaduras sofreram amputações

Ascom/SES

De 1 a 24 de junho, o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), registrou 56 pacientes vítimas de queimaduras. Desse total, 32 foram por fogos de artifício e os demais

Foto: Ascom/SES
relacionados a acidentes domésticos e líquidos superaquecidos. Na véspera de São João, 23, foram registrados 15 vítimas de queimaduras e outras 17 durante todo o dia 24. De acordo com a referência técnica da cirurgia plástica do Huse, Moema Santana, o que mais chamou a atenção este ano foram os casos de amputações, que atingiram 70% dessas vítimas.

“As amputações ocorreram em dedos, mão e trauma complexo de mão em uma criança de 11 anos. Então, a gente só pode sugerir que as pessoas reforcem os cuidados, principalmente com as crianças, que não devem manusear bombas de alto teor explosivo. Quanto aos adultos, devem pensar em usar protetores como luvas, casacos, calça jeans e óculos, pois tivemos dois pacientes com trauma ocular”, alertou a médica.

As sequelas de uma queimadura são graves e em amputação é irreversível. Os acidentes domésticos também tiveram uma estatística relevante e muitas vítimas foram encaminhadas para a Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Huse, principalmente envolvendo crianças. Ana Valéria Brito, 26, está com o pequeno H.B, um ano de idade e internado há sete dias. Ela explica como tudo aconteceu. “Eu tenho o hábito de sempre passar ferro no lençol antes de passar na roupa, como o ferro estava sujo, a roupa grudou e eu desliguei da tomada e coloquei a tomada em cima da mesa. Foi tudo muito rápido e quando vi meu filho já estava queimado e eu corri para o hospital com ele”, explicou.

A dona de casa Adriana Lima, 32, foi queimar lixo no quintal de casa e não tomou os cuidados devidos, o álcool estava próximo do fogo e atingiu a jovem que sofreu queimaduras nas coxas, tórax e braço. “Eu tomei um grande susto e me deitei no chão com o corpo em chamas. Meu marido pegou água e jogou em mim de imediato para apagar o fogo. Eu estava o tempo todo consciente e fui para o hospital enrolada em um pano. Deus me livrou de consequências ainda mais graves”, disse a jovem.

Laíze Macedo, 24, estava acompanhada da sobrinha que sofreu um acidente doméstico e está na enfermaria pediátrica da UTQ. “Minha cunhada foi esquentar água para tomar banho e quando pegou a panela sem alça, não aguentou segurar e a soltou. A filha estava próximo e se queimou nas pernas e na barriga”, informou.

Preparativos

Todo um preparativo foi montado para receber as vítimas que chegaram pelo Pronto Socorro do Huse. Tudo para garantir agilidade na assistência durante os festejos juninos, de forma que foi criada uma sala exclusiva para assistência imediata às vítimas de queimaduras. O espaço serviu de apoio à UTQ e funcionará até o final do mês (30 de junho). Além disso, uma equipe multidisciplinar formada por cirurgiões plásticos, enfermeiros e técnicos de enfermagem estiveram de plantão 24 horas para atenderem a demanda de queimados. A estrutura da UTQ, que foi completamente reformada e entregue no início do mês, contribui para a assistência desses pacientes.

São 14 leitos, sendo quatro pediátricos, dois semi-intensivos e oito para adultos, alguns reservados na enfermaria da Ala D, além de um centro cirúrgico para a realização de curativos e pequenos procedimentos.


Fonte: Ascom/SES