Sergipe

22/10/2018 às 06h50

Família da trans Laysa denuncia negligência no atendimento do Huse

Redação Portal A8

A equipe do Balanço Geral Manhã acompanhou toda revolta  e dor de familiares e amigos da Trans Laysa Fortuna, assassinada na última sexta-feira, 19. Durante velório, a mãe de Laysa, Rosângela dos Santos, clamou que a violência contra trans termine. "Eu queria que acabasse com essa violência, que as pessoas aceitassem da maneira que eles são, não só o meu, mas os outros também. São seres humanos e filhos de Deus da mesma forma, essa violência contra eles precisa acabar", disse.

Dona Rosângela denunciou ainda uma suposta negligência médica durante o atendimento no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). "Deixaram meu filho se acabar em cima de uma cama, ele morreu nos braços da minha irmã, agonizando e o hospital não fez nada. Meu filho deu entrada às 23h e morreu  por volta das 14h30min  do outro dia, por falta de atendimento médico", contou.

Segundo a amiga Bruna Bianque , que estava  com Laysa no momento do crime, houve negligência no hospital." Eu presenciei tudo, do momento que ele deu a facada até a hora do hospital. Houve negligência por parte do Huse, eles não quiseram acreditar que minha amiga estava morrendo, ela dizia para mim que estava morrendo, mas eles pensavam que por causa do ferimento pequeno ela estava bêbada, quiseram dar glicose, mas ela não tinha ingerido uma gota de álcool.  Laysa foi morrendo aos poucos, por causa que os médicos não fizeram cirurgia, se tivesse operado logo, ela estaria viva, mas não fizeram nada. Naquele lugar somos tratados como lixo'', lamentou.

A assessoria do Huse foi procurada pela produção do Balanço Geral Manhã e ficou de enviar uma nota a respeito da denúncia.

Relembre o caso

Na noite de quinta-feira (18), a transexual Laysa Fortuna, de 25 anos, foi agredida e atingida com uma facada no tórax. O crime aconteceu no centro de Aracaju, por volta das 22h, segundo a amiga e presidente da Associação das Travestis Unidas na Luta pela Cidadania, Jéssica Tylor, elas estavam no centro da cidade quando o agressor teria passado fazendo ameaças, com conotação política, e em seguida acertou a faca no peito de Laysa. 

O caso foi registrado na delegacia do conjunto Augusto Franco, ainda durante a noite, e o agressor foi preso, mas liberado em seguida, por que, segundo a presidente da associação, o delegado constou lesão corporal leve. 

Após a morte de Laysa o suspeito foi preso novamente

O homem acusado de matar a trans Laysa Fortuna foi preso na manhã do último sábado (20), ele foi identificado como, de 33 anos, como Alex Cardoso da Silva, natural de Alagoas. Segundo a delegada responsável pelo caso Meire Mansuet, informou ao portal A8SE que ele foi preso pela polícia militar na praça Fausto Cardoso, no centro de Aracaju.

O suspeito é morador de rua e trabalhava como flanelinha do centro da capital. O mandado de prisão foi solicitado pela delegada responsável pelo inquérito e expedido pela justiça, por volta das 15h desta sexta-feira (19). Ele foi encaminhado para a 4ª Delegacia Metropolitana e será encaminhado para o sistema prisional de Sergipe.


Fonte: Redação Portal A8