Sergipe

20/03/2018 às 09h53

Vacina contra caxumba é disponibilizada nas Unidades de Saúde da Família

PMA

A Prefeitura Municipal de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), investigou e continua monitorando dois surtos de caxumba, popularmente chamada de ‘papeira’, registrados neste mês de março. Os surtos ocorreram em estabelecimentos de ensino da capital, localizados em bairros diferentes. Em um dos surtos, foram identificados 11 casos, sendo adolescentes com idades entre 14 e 15 anos.  O outro surto trouxe quatro casos, sendo adultos com mais de 20 anos de idade.

A vacina para caxumba, enfermidade de evolução benigna, é oferecida desde 1996 e está disponível em todas as Unidades de Saúde da Família (USF). A diretora da Vigilância em Saúde, Taise Cavalcante, orienta a comunidade para a imunização. “É importante observar o cartão de vacina dos filhos, crianças e adolescentes, para ver se já tomaram a dose da vacina que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. São duas doses vacinais até 29 anos de idade. Quem tomou apenas uma dose, precisa terminar o esquema vacinal, tomando mais uma dose. Acima de 30 anos, toma apenas uma dose”, explicou.

A caxumba é uma doença infecciosa, causada por um vírus da família dos Paramyxovirus. A transmissão ocorre por via aérea, da mesma forma de transmissão de uma gripe. Ela se dá pelo contato direto com as secreções das vias aéreas superiores da pessoa infectada, a partir de sete dias antes e até nove dias depois do aparecimento dos sintomas. Por isso, alguns cuidados são necessários. “A pessoa deve evitar aglomerados, lavar bem as mãos, principalmente depois de levar essa mão ao nariz ou à boca”, colocou a diretora da Vigilância em Saúde.

Raros são os casos de reinfecção pelo vírus da caxumba. Em geral, uma vez infectada, a pessoa adquire imunidade contra a doença. “Claro que a gente sabe que a eficácia da vacina não é 100%, mas a doença deve vir mais fraca. Muitas vezes a pessoa nem percebe os sinais e sintomas. Por isso, é extremamente importante tomar as duas doses. Para quem não lembra se tomou, pode tomar uma dose até os 49 anos de idade”, ressaltou.

Sintomas

A diretora da Vigilância em Saúde aproveitou para fazer o alerta para os principais sintomas. “Geralmente as pessoas apresentam febre, dor de cabeça, inchaço nas glândulas salivares. A pessoa também tem dificuldade para engolir. Não existe tratamento específico, ele é sintomático. Se tiver febre, toma mediação para febre, se tiver inflamado, toma anti-inflamatório. Necessita de afastamento do ambiente escolar ou do trabalho para reduzir a transmissão, pois é uma doença de alta transmissibilidade e repouso para evitar complicações. É bom deixar claro que esses sintomas são os mesmos de outras doenças e por isso só uma avaliação médica vai poder confirmar se é caxumba”, afirmou.

Orientação

Após avaliação dos surtos que vem ocorrendo desde o final de setembro de 2017, a Secretaria Municipal da Saúde solicita que todo caso individual seja notificado à Vigilância Epidemiológica para um melhor acompanhamento e assim evitar que esse caso apareça em forma de surto.  "É importante salientar que a notificação individual não é obrigatória em portaria ministerial para os profissionais da saúde", informou a diretora da Vigilância em Saúde, Taise Cavalcante.


Fonte: PMA