Sergipe

21/11/2011 às 16h58

Dia Mundial em Memória às Vítimas do Trânsito

Redação Portal A8

Foto (ASN)
Uma grande mobilização em alusão ao Dia Mundial em Memória às Vítimas do Trânsito chamou a atenção dos motoristas que trafegavam nesta segunda, 21, logo cedo na avenida Beira Mar. Em apoio ao Comitê Municipal de Mobilização para a Saúde, Segurança e Paz no Trânsito (Comsepat), o Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Saúde, participou do evento que envolveu diversos voluntários de outros órgãos, entre agentes da Superintendência Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT), Secretaria Municipal da Saúde, CPTRAN, CPRV e delegacia de Delitos de Trânsito, os quais abordaram motoristas e pedestres para distribuir folhetos educativos, mostrando o quanto é grave o índice de acidentes de trânsito em todo o país. Setenta e quatro cruzes pregadas nos canteiros representavam o número de mortes no trânsito somente este ano em Aracaju.

Em 2010, o Ministério da Saúde registrou 40.610 casos de mortes por acidentes de trânsito no Brasil, dos quais 613 aconteceram em Sergipe, uma média de dois mortos por dia no trânsito em todo o estado. A maioria são homens jovens, na faixa etária dos 19 aos 35 anos. Quase sete mortes por mês, uma a cada semana. A cada óbito verificado no trânsito, são registradas 12 vítimas não fatais, das quais quatro ficam com sequelas para o resto da vida (amputados, paraplégicos e tetraplégicos, por exemplo).

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Antonio Carlos Guimarães, a maior preocupação é com o grande número de mortes dos jovens no trânsito. "Não é o recurso financeiro despendido com a vida que tem significado, mas sim o fato de o acidente de trânsito ser a principal causa de morte da juventude brasileira hoje. Se precisássemos gastar o dobro do que gastamos para preservar uma vida, faria parte da responsabilidade do Sistema Único de Saúde (SUS). É importante termos a consciência que qualquer um de nós está portando uma verdadeira arma, pois o veículo pesa cerca de no mínimo uma tonelada e na hora em que acelera pesa muito mais que isso", lembrou, ressaltando que as vítimas de trânsito podem ser consideradas para o SUS como parte de uma epidemia devido ao crescimento do número de acidentados a cada dia, que ocupam cerca de 80% dos leitos críticos da ala vermelha no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse).

Ações e prevenção

O superintendente da SMTT, Antônio Samarone, falou sobre a criação do Comsepat que congrega cerca de trinta entidades voltadas para a prevenção do acidente de trânsito. "Hoje é um dia especial e a SMTT se integra de corpo e alma às atividades das secretarias de Saúde, até porque, basicamente, a vítima de trânsito para numa unidade de saúde, seja na rede básica, seja nos hospitais. Por isso hoje uma série de atividades serão realizadas. O trabalho da SMTT é permanente para evitar acidentes, cito aqui dois exemplos, o trabalho para manter a calçada livre de veículos e obstáculos para os pedestres e o nosso trabalho de garantir a faixa de pedestre é exatamente para dar mais segurança ao direito de ir e vir", comentou.

Segundo a delegada de Delitos de Trânsito, Georlize Telles, a prevenção é o melhor caminho para reduzir as mortes no trânsito. "A Delegacia tem se somado a todos os órgãos, pois entende que só o conjunto da sociedade pode dar um basta, um chega de desastre na nossa capital. Do sábado para o domingo, fizemos um trabalho com o CPTRAN, autuamos pela primeira vez em Aracaju nove condutores por embriaguez no trânsito. Temos realizado trabalho com o CPRV, com a Polícia Rodoviária Federal, com a SMTT, com todos os órgãos. Acho que o trabalho da delegacia é isso, não é um trabalho só, é um trabalho de reprimir, mas acima de tudo conscientizar e prevenir, é isso que resolve", afirmou.

O diretor de trânsito da SMTT, Major Paiva, disse que o órgão disponibilizou cerca de 100 pessoas trabalhando na ação de hoje. "Inclusive nós trouxemos uma cruz para representar cada uma das 74 vítimas de trânsito no município de Aracaju somente neste ano. É importante todos nós chamarmos a atenção da sociedade para acidentes que poderiam ser evitados, que deixam os hospitais, as UTIs cheias e indisponíveis por acidentes que poderiam não ter acontecido", ressaltou.

Dor e saudade dos familiares

O delegado Marcelo Paes perdeu a filha, que faleceu em um acidente no dia 4 de outubro deste ano. Agora, luta para que outros pais não tenham que sentir a mesma dor e tristeza. "Infelizmente, eu como muitos pais que estão aqui não gostariam de estar aqui no Dia Mundial em Memórias às Vítimas de Acidente de Trânsito. É um dia para ser lembrado sempre, e o motorista deve olhar a pessoa que está ao seu lado no carro e imaginar que pode ser uma vítima, porque você irresponsavelmente ingeriu bebida alcoólica, andou acima do limite de velocidade ou não usou o cinto de segurança", destacou.

Para Margareth Silva de Carvalho, sobrevivente de acidente, a ideia da Associação das Vítimas de Acidentes de Trânsito é para unir forças e cobrar o poder público uma maior eficácia no combate aos acidentes. "A Associação está sendo fundada hoje e nossa intenção é que as famílias não fiquem com sua dor, que elas venham falar, para que a gente consiga amanhã evitar mais um acidente. As pessoas que estão caladas devem se juntar a nós para que tenhamos força para conseguir melhorar o trânsito em Aracaju", apontou.

Fonte: ASN