Sergipe

04/09/2009 às 17h00

Prefeitos elaboram nova nota de repúdio ao ex-governador João Alves

Cerca de 40 prefeitos de Sergipe se solidarizaram com o prefeito de Poço Verde e presidente da Associação dos Municípios do Centro-Sul de Sergipe (Amurces), Antônio da Fonseca Dórea, o Toinho de Dorinha (PSB).

Redação Portal A8

Reunidos em um almoço no início da tarde desta sexta-feira (4), cerca de 40 prefeitos de Sergipe se solidarizaram com o prefeito de Poço Verde e presidente da Associação dos Municípios do Centro-Sul de Sergipe (Amurces), Antônio da Fonseca Dórea, o Toinho de Dorinha (PSB).

Na última terça-feira (1º) à noite, quando retornava a Aracaju em um vôo saindo de Brasília, o prefeito foi surpreendido pelo ex-governador João Alves Filho (DEM) que, de forma hostil, passou a agredi-lo verbalmente com palavras de baixo calão. Várias pessoas, entre elas o diretor do Sebrae, Gilson Figueiredo e o secretário de Estado da Casa Civil, Oliveira Júnior, testemunharam o fato.

"Não desejo a ninguém o que passei no aeroporto de Brasília. Fui tratado de forma grosseira e minha única reação foi ficar anestesiado com tudo aquilo. Acredito que foi mais um momento infeliz do ex-governador", relatou Toinho de Dorinha, que agradeceu o gesto de solidariedade dos colegas. "Foi um atentado à dignidade humana, mesmo assim para mim esse episódio já foi superado, principalmente agora que estou recebendo o apoio de vocês", disse.

Indignado com a situação, o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PCdoB), afirmou aos colegas que assim que tomou conhecimento do fato, fez questão de ligar para alguns deputados e prefeitos para propor uma reação de forma educada e civilizada. "Estamos aqui hoje com uma nota de repúdio contra o ex-governador e em solidariedade a Toinho de Dorinha. Já temos mais de 40 assinaturas e vamos chegar a mais de 50", prometeu.

Segundo Nogueira, o ato reunindo os prefeitos não tem nenhum caráter político, mas é um gesto de solidariedade a um colega que foi duramente agredido. "Não é possível que nós prefeitos sejamos desmoralizados pelos próprios políticos e fiquemos calados. Será que vamos aceitar isso? O que aconteceu com Toinho de Dorinha poderia ter acontecido com qualquer um de nós. Nossa autoridade foi dada pelo povo, por isso não vamos deixar passar em branco esse fato que eu considero gravíssimo", garantiu.

Edvaldo Nogueira também repudiou o termo "mamateiro" utilizado pelo ex-governador para classificar alguns prefeitos que estariam com o governo para, no momento certo, passarem para o seu lado. "Quando alguém chama prefeito de mamateiro, está contribuindo para denegrir a nossa imagem. Em 2006, 43 prefeitos apoiaram a reeleição de João Alves. Será que eles eram mamateiros? Tenho certeza que não", avaliou o comunista.

De acordo com Edvaldo Nogueira, assim que a maioria dos prefeitos assinarem a nota, ela será amplamente divulgada nos meios de comunicação. O texto afirma que João Alves agiu de forma hostil, desrespeitosa e abusando do autoritarismo.

Fonte: EmPauta

 

Prefeito de Aracaju se solidarizou e liderou o encontro (Foto: Amurces)