Sergipe

17/03/2009 às 08h36

“Nossa tarefa hoje é garantir que Aracaju continue crescendo”

Redação Portal A8

Liderança de projeção nacional, prefeito de Aracaju por quase dois mandatos e atual governador de Sergipe, Marcelo Déda é o mais novo entrevistado da série especial para o hotsite comemorativo ao aniversário de 154 anos da cidade. Entre os pontos abordados, destaque para a sua relação com a capital que o acolheu e o fez homem público, os reflexos da crise financeira internacional nas administrações municipal e estadual e o projeto em curso de interiorização do desenvolvimento.

"A nossa grande tarefa hoje é garantir que Aracaju continue crescendo, mas buscar desconcentrar o desenvolvimento, a infra-estrutura, a prestação de serviços e realização de políticas públicas. Com isso poderemos reduzir a pressão sobre os serviços da capital e levar os padrões da qualidade de vida que hoje temos na capital também para o interior", almeja o governador.

Sobre a evolução dos indicadores sociais que fizeram da cidade a capital brasileira da qualidade de vida, o governador atribui essa conquista ao compromisso dos líderes da sua geração com os segmentos historicamente excluídos. "O nosso programa sempre foi socialmente comprometido. Nunca escondemos que nosso desejo é governar para todos, mas que dentre todos priorizaríamos os mais pobres, aqueles setores esquecidos pelos governos conservadores", destacou.

Agência Aracaju de Notícias (AAN) - Como o cidadão Marcelo Déda descreveria Aracaju? Que palavras seriam ditas para explicar o que a cidade significa intimamente para o senhor?


Marcelo Déda (MD) - Aracaju para mim é sinônimo de porto, lugar que me acolheu, me ajudou a crescer como homem e como cidadão. Cidade que viu meus filhos nascerem e que testemunhou os mais belos momentos da minha vida. Cidade bela com um povo maravilhoso, consciente, mobilizado, protagonista de sua própria história. Um lugar onde vivo feliz!

AAN - O senhor foi prefeito da capital durante seis anos. Qual é o seu maior orgulho desse período?

MD - Ter governado a minha cidade, escolhido duas vezes pelo voto direto do aracajuano é por si só motivo de muita satisfação, de orgulho e de gratidão. Creio que ajudei a fazê-la mais bela, mais humana, mais justa, mais conhecida e respeitada em todo o Brasil.

AAN - Que tipo de locomotiva Aracaju é para Sergipe e que em aspectos o desenvolvimento da capital tem ajudado a impulsionar seu governo?

MD - Aracaju é o portal de Sergipe. Não apenas do ponto de vista turístico, mas também sob o prisma social, econômico e político. Sergipe é um Estado pequeno e as ligações do interior com a capital facilitam o acesso das pessoas à cidade e aos seus serviços. Do mesmo modo, o que acontece em Aracaju chega rápido ao conhecimento dos nossos companheiros do interior. O desenvolvimento de Aracaju, especialmente no campo social, tem ajudado Sergipe a ostentar indicadores acima da média do Nordeste, praticamente liderando a região no que se refere a indicadores como IDH, renda per capta, etc. A nossa grande tarefa hoje é garantir que Aracaju continue crescendo, mas buscar desconcentrar o desenvolvimento, a infra-estrutura, a prestação de serviços e realização de políticas públicas. Com isso poderemos reduzir a pressão sobre os serviços da capital e levar os padrões da qualidade de vida que hoje temos na capital também para o interior.

AAN - O senhor visitou muitas cidades do Brasil e do mundo e manteve contato com seus habitantes. Caso fosse comparar o cidadão aracajuano com os de outras cidades, que características se sobressaem? Como é o aracajuano?


MD - Hospitaleiro e alegre, sabe receber como ninguém e compartilha sua alegria com todos que para aqui se dirigem. Crítico, inteligente e independente, não abre mão de seus direitos e exerce sua cidadania reivindicando sempre o melhor para sua cidade. Não admite currais nem se subordina a projetos pessoais, escolhe seus lideres sem abrir mão da sua independência: se o líder frustra a sua confiança, perde o seu apoio. Festivo, sem exageros, sabe fazer festas e curtir intensamente a vida nesse pedaço do paraíso. Trabalhador e competente fez da sua cidade, capital erguida pelo trabalho e pelo talento da nossa gente, um monumento vivo da grandeza do povo sergipano.

AAN - O atual cenário econômico mundial vem obrigando os gestores a rever metas e repensar projetos, obras e investimentos. Em que medida a crise financeira preocupa a sua administração e a do prefeito Edvaldo Nogueira?


MD - É unânime a avaliação de que teremos uma retração no crescimento da economia, isto é, cresceremos pouco, bem menos do que se esperava. Isso significa dificuldades na arrecadação e risco de queda nas receitas públicas. Mas, acredito que o estilo de administrar de Edvaldo e o meu, marcados pela responsabilidade social e pelo equilíbrio fiscal, nos permitirá enfrentar esse momento difícil, reduzindo os reflexos da crise sobre os investimentos e garantindo um bom nível de prestação dos serviços públicos.
AAN - Aracaju tem uma trajetória política progressista e de esquerda. De alguma forma, isso contribuiu para que a cidade conquistasse excelentes indicadores sociais refletidos no alto padrão de qualidade de vida?


MD - Como disse antes, o espírito critico, a postura independente e a consciência de cidadania do povo aracajuano é um estímulo para que seus governantes busquem melhorar cada vez mais os seus indicadores e priorizar a maioria do nosso povo com obras sociais e investimentos estruturantes.
AAN - Que fatores fizeram de Aracaju a capital brasileira da qualidade de vida e qual o papel do seu governo e da administração de Edvaldo Nogueira nesse processo?


MD - O nosso programa, desde que eu e Edvaldo chegamos à Prefeitura, sempre foi socialmente comprometido. Nunca escondemos que nosso desejo é governar para todos, mas que dentre todos priorizaríamos os mais pobres, aqueles setores esquecidos pelos governos conservadores, os trabalhadores, os moradores dos bairros periféricos, os jovens, as crianças os idosos... Foi esse compromisso, hoje tão bem executado por Edvaldo, que produziu políticas sociais consistentes, participação popular ativa e obras de infra-estrutura social que levaram Aracaju a um nível de qualidade de vida aplaudido em todo o país.