Sergipe

Hospital de Campanha de Aracaju encerra atividades

18/09/2020 18h39 - Atualizado 29/09/2020 às 11h14
Hospital de Campanha de Aracaju encerra atividades

Diante dos números da Covid-19 estarem diminuindo em nosso estado, o Hospital de Campanha de Aracaju encerrou suas atividades na manhã desta sexta-feira (18) e a equipe de reportagem da Tv Atalaia apurou toda a cobertura. A Secretaria Municipal de Saúde informou que todo o material será reutilizado em hospitais e unidades de saúde básica da capital.

As atividades começaram a funcionar no mês de maio, época do início do pico da pandemia na capital, porém os trabalhos foram finalizados nesta sexta. Durante esses quatro meses de ação, cerca de 460 pacientes de baixa e média complexidade receberam atendimentos. Dentre eles, 74% foram recuperados na própria unidade.

O hospital de campanha teve um custo de mais de 4 milhões reais, que foi construído no estádio de futebol João Hora, localizado no bairro Siqueira Campos. De início a capacidade era para 152 leitos, com equipamentos adquiridos através de investimentos de mais de 3 milhões, mas todo o material será distribuído nos hospitais e unidades de saúde básica da capital.

Para a imprensa, a secretária municipal de saúde, Vaneska Barboza, afirmou que todo o material será reutilizado em unidades da rede básica, onde o tratamento contra a covid-19 permanece. “As ferramentas daqui eles já têm destinos próprios. Vamos enviar os equipamentos para a própria rede municipal, exemplo o Capes, também para as unidades básicas de saúde, hospitais e maternidade”, informou Vaneska.

Emocionados, os profissionais da saúde concluíram também suas atividades com música, aplausos, soltura de balões brancos e a sensação de dever cumprido. Eles se despediram do último paciente do hospital, o senhor Nivaldo Ferreira, que foi transferido para outra unidade na zona sul da capital.

Em entrevista à equipe de reportagem da Tv Atalaia, o enfermeiro Jeferson Rodrigues lamentou o hospital não ter conseguido salvar a todos, mas reconhece que tudo o que podia ao que estava ao seu alcance enquanto profissional.  “Um período bastante difícil para todo mundo, o medo existia na população. Nós sabemos da nossa missão e infelizmente não podemos salvar todas as vidas, mas fica aqui meu sentimento de dever cumprido”, comoveu o enfermeiro.

Confira matéria completa exibida no programa Balanço Geral Sergipe desta sexta:

Tags: