Campanha

Familiares de pessoas desaparecidas já podem doar material genético

Por Agência Brasil e ascom SSP/SE 14/06/2021 16h02
Familiares de pessoas desaparecidas já podem doar material genético
Agência Brasil

Começou nesta segunda-feira (14) a Campanha Nacional de Coleta de DNA de Familiares de Pessoas Desaparecidas em todos os Estados e no Distrito Federal. A campanha do Ministério da Justiça e Segurança Pública vai até sexta-feira (18) e ocorre de forma integrada com as secretarias estaduais de Segurança Pública e a Polícia Federal. O objetivo é possibilitar a identificação de pessoas desaparecidas por meio de exames e bancos de perfis genéticos. Em Sergipe, apenas no período que compreende os anos de 2019 e 2021, o estado registrou 946 boletins de ocorrência relacionados ao desaparecimento de pessoas.

Os familiares de pessoas desaparecidas devem procurar a Copcal, o IML ou, ainda, pelos telefones (79) 3198-2802 e 3198-2811 para fornecer seus dados e material genético. A coleta voluntária deve ser feita, preferencialmente, por parentes de primeiro grau da pessoa desaparecida, seguindo a ordem de preferência: pai e mãe; filhos; irmãos.

O DNA do próprio desaparecido também poderá ser extraído de itens de uso pessoal, tais como: escova de dentes, escova de cabelo, aparelho de barbear, aliança, óculos, aparelho ortodôntico, dente de leite, amostra de cordão umbilical. Esses materiais também poderão ser entregues nos pontos de coleta da campanha. É necessário, no ato da coleta, assinar um termo de consentimento.

Todo o material recolhido será utilizado com a finalidade exclusiva de identificação de pessoas desaparecidas por intermédio da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG). A Rede é coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O perito criminal Kleber Willer, do IAPF, explicou que a implementação do Laboratório de Toxicologia Forense preparou o estado para atuar nessa busca por pessoas desaparecidas a níveis local e nacional. “É uma campanha nacional. Sergipe tem como colaborar, pois hoje já estamos funcionando com o Laboratório de Genética Forense. Isso possibilita ao estado contribuir com essa campanha a nível nacional para a realizar a coleta desses familiares que têm seus entes desaparecidos e aguardam por uma resposta”, ressaltou.

O exame

O exame de DNA é uma ferramenta conhecida para a identificação de pessoas. Ainda que seja mais lembrada por sua utilização em testes de paternidade ou na solução de crimes, este recurso vem sendo usado com sucesso na localização de pessoas desaparecidas (ou não identificadas), tanto no Brasil como no exterior.

É um instrumento moderno e efetivo, capaz de dar uma resposta para as famílias que vivem o drama de ter um ente desaparecido. O material colhido para este fim não pode ser utilizado para nenhuma outra ação. Sua função exclusiva é a identificação e localização de pessoas desaparecidas ou não identificadas.

O Ministério da Justiça disponibilizou na internet mais informações sobre onde doar o material, tirar dúvidas e dar detalhes sobre o procedimento.