Dique denúncia 181

Familiares prestam depoimento à polícia e pedem ajuda para encontrar índio desaparecido

Elenildo dos Santos, conhecido como Calunga, tem 51 anos e estava no hospital acompanhando o filho de 10 anos que se recupera de uma pneumonia.

11/06/2021 11h35
Familiares prestam depoimento à polícia e pedem ajuda para encontrar índio desaparecido
Leonardo Barreto

O desaparecimento de um indígena ainda é um mistério. Ele desapareceu no Hospital de Urgências de Sergipe João Alves Filho, maior hospital público do estado. Elenildo dos Santos, conhecido como Calunga, tem 51 anos e estava no hospital acompanhando o filho de 10 anos que se recupera de uma pneumonia.

Eles despareceu, por volta das 19h do dia 28 de maio deste ano, quando segundo funcionários do hospital, Elenildo foi ao estacionamento do hospital para fazer uma ligação. Desde então não foi mais visto. O celular dele foi encontrado por uma enfermeira na última terça-feira (08) no estacionamento do hospital.

De acordo com a família, o último contato de Elenildo foi por telefone com a filha. Ela iria ficar com o irmão no hospital no dia seguinte para que o pai pudesse descansar, mas ao chegar no hospital não o encontrou. Elenildo e a família são indígenas e moram na tribo Kariri-xocó, no município alagoano de Porto Real do Colégio, distante 100 quilômetros de Aracaju. Segundo eles, Elenildo não tinha inimigos e também não havia recebido ameaças.

“Meu irmão não sabe ler, nem escrever, não sabe andar nessa cidade. Nós precisamos localizar esse membro da tribo Kariri-xocó. Peço as autoridades e ao povo que nos ajudem”, apelou Ivanildo dos Santos, irmão do indígena desaparecido.

O irmão e a filha do indígena desaparecido prestaram depoimento à polícia nessa quarta-feira (09).

Qualquer informação que possa ajudar a localizar o indígena desaparecido deve ser passada para polícia seja através do 190 ou do 181. A Fundação Nacional do Índio - Funai informou que está acompanhando o caso através da Coordenadoria Regional em alagoas sediada em Maceió.

De acordo com a Secretaria de Segurança Publica de Sergipe, a Procuradoria da República em Sergipe recebeu o comunicado do desaparecimento e alertou as autoridades sergipanas para tomar as primeiras providências. A Delegacia Geral da Polícia Civil emitiu um alerta para todas as Delegacias de Sergipe e abriu um procedimento de investigação na Polícia Interestadual (Polinter), unidade integrante do Departamento de Crimes contra o Patrimônio (Depatri).