Atualização

Caso de mulher que teve corpo encontrado em Jatobá ganha mais um desfecho

O corpo da vítima foi encontrado na manhã dessa quinta-feira, 15, com o apoio do canil do Corpo de Bombeiros

Por SSP/SE 16/04/2021 14h06
Caso de mulher que teve corpo encontrado em Jatobá ganha mais um desfecho
SSP/SE

Em continuidade às investigações sobre a morte e o desaparecimento de Urânia Guimarães Oliveira, o Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri) indiciou dois dos autores do crime pela prática de ocultação de cadáver. Ela desapareceu no sábado, 13 de fevereiro, em São Cristóvão, e o corpo da vítima foi encontrado, pelo Corpo de Bombeiros, na praia do Jatobá, na região da Barra dos Coqueiros, na manhã dessa quinta-feira, 15. 

O crime foi praticado por motivo banal, diferente do que havia sido indicado pelos suspeitos, de que a vítima teria feito uma denúncia no Conselho Tutelar contra a investigada Adriane Ribeiro Cardoso. Na manhã da quinta-feira, 15, além de Adriane, foi preso Igor José dos Santos. O terceiro envolvido no crime, identificado como Robson Chagas Ramos, já havia sido preso anteriormente em cumprimento a mandado de prisão definitiva por furto. 

A investigação foi coordenada pela delegada Thereza Simony. Na manhã desta sexta-feira, 16, a delegada Viviane Pessoa, diretora do Depatri, explicou que após as prisões, foi possível identificar a região onde o corpo havia sido enterrado pelos suspeitos. “Para isso, contamos com o trabalho da inteligência da Polícia Civil e a atuação dos cães do Corpo de Bombeiros. Com o apoio do canil, conseguimos identificar o local exato”, complementou.

Viviane Pessoa também destacou que com a localização do corpo, ficou materializada a prática da ocultação de cadáver, além do homicídio. “A partir de agora, as pessoas responsáveis pelo homicídio respondem também por ocultação de cadáver. Foram feitos os flagrantes de dois dos autores pela ocultação do cadáver. Continuamos as investigações para ver se houve mais alguma participação”, ressaltou.

Embora a motivação do crime não esteja relacionada com uma suposta denúncia feita ao Conselho Tutelar contra Adriane, Viviane Pessoa relembrou que é fundamental a comunicação de fatos criminosos contra menores de idade aos conselheiros tutelares. “Destacamos o trabalho sério dos conselhos tutelares. Temos que incentivar sim as denúncias de qualquer tipo de ação contra as crianças e os adolescentes”, pontuou.