Lazer

De hobby à terapia, cresce o interesse por jardinagem no lar

Por assessoria de comunicação Ferreira Costa 12/01/2021 16h20
De hobby à terapia, cresce o interesse por jardinagem no lar
Fotografia: A Lojinha Estúdio

Cultivar é a palavra-chave do momento. Não só as boas relações e pensamentos positivos, mas cuidar de plantas também é uma atividade bastante recomendada. O contato com a natureza tem um potencial de relaxamento imenso. É também um momento de se desligar do mundo e se desconectar de notícias ruins, que podem trazer uma sensação de angústia, muito comum nesse momento que estamos vivendo.

O cultivo de plantas e flores começou a ser uma das apostas para quem procurava transformar a casa em um lar mais acolhedor, além de buscar um modo para relaxar diante das incertezas dos estresses causados pela pandemia.

Para quem quer construir o seu próprio jardim é importante voltar a atenção para as particularidades pessoais e das plantas. Fatores diversos devem ser considerados na hora de escolher o que se quer cultivar. Vai depender diretamente do contexto em que cada pessoa vive e de suas necessidades. Sendo possível cultivar desde uma pequena horta com temperos e chás, com fins culinários, cultivada junto à janela, sempre protegida de fortes ventos, a um cantinho verde em sua varanda, com espécies de diferentes hábitos, dispostos em vasos sobre uma mesa, jardineiras em prateleiras ou penduradas, até um único vaso no interior da sala.

A jardinagem é uma verdadeira terapia, porque além de limpar o ar e decorar a casa, atrai boas energias. Abrindo um espaço em casa para abrigar um jardim ou até mesmo uma hortinha, não é só uma maneira de interagir a natureza ao cenário urbano, a jardinagem também é uma atividade extremamente relaxante, que pode trazer diversos benefícios à saúde mental.

E por conta disso, alinhado ao momento atual, o setor de jardinagem do Home Center Ferreira Costa vem reagindo a esse “novo normal”, com um crescimento equivalente a 15% nas vendas. Seja em casa ou apartamento, o confinamento despertou em muitos, a saudade do contato mais direto com a natureza. O verde que estava guardado nas praças e parques, agora habita locais concretos e afetivos nos lares de muitos brasileiros.