Saúde

O mês outubro termina mas as prevenções ao câncer de mama precisam continuar

Quando detectado precocemente, o câncer de mama pode ser tratado de forma menos agressiva e com taxas de sucesso satisfatórias

Por informações Educa Mais Brasil 30/10/2020 16h51
O mês outubro termina mas as prevenções ao câncer de mama precisam continuar

Marcado pela campanha “Outubro Rosa”, que tem como objetivo alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer do colo de útero, o mês de outubro reforça para os cuidados contínuos durante o ano inteiro.

A ação que contribui para a diminuição da mortalidade devido às doenças, demorou um pouco mais para ser aderida no Brasil. O primeiro sinal de envolvimento por aqui se deu em outubro de 2002, quando o Obelisco de Ibirapuera, em São Paulo, foi iluminado com luzes cor de rosa. Desde então, a temática deslanchou.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de mama é o que mais acomete as mulheres em todo o país. A campanha é fundamental para chamar atenção para a necessidade do diagnóstico precoce, o que pode aumentar em 95% a chance de cura no tratamento. Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não. A maioria dos casos tem bom prognóstico.

O câncer de mama deve afetar 66.280 mulheres neste ano, conforme estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA). É o segundo tumor que mais atinge mulheres, atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Ainda de acordo com o órgão, cerca de oito mil casos serão em pacientes com menos de 40 anos, o que corresponde a mais de 12% do total. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença, pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc) da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Detecção precoce do câncer de mama

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais e isto é um fator que contribui consideravelmente para a recuperação total da doença. Para isso, é fundamental que as mulheres sejam estimuladas a conhecer o seu próprio corpo, através, por exemplo, do autoexame das mamas. Ainda segundo o INCA, a maior parte dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres.

Além disso, o Ministério da Saúde recomenda que a mamografia de rastreamento (exame realizado quando não há sinais nem sintomas suspeitos) seja ofertada para mulheres entre 50 e 69 anos, a cada dois anos. A recomendação brasileira segue a orientação da Organização Mundial da Saúde e de países que adotam o rastreamento mamográfico.

Quando detectado precocemente, o câncer de mama pode ser tratado de forma menos agressiva e com taxas de sucesso satisfatórias. Por isso, o Outubro Rosa alerta para a importância de realizar os exames de forma periódica, além de estimular campanhas que disponibilizam os testes de forma gratuita.

Autoexame das mamas

A palpação é um método que examina o corpo através da ponta dos dedos ou as palmas das mãos. O autoexame é uma destas práticas que ajuda no diagnóstico da doença. Ele não deve substituir a mamografia, que é capaz de detectar o câncer em fases bem mais iniciais.

De acordo com o INCA, a mulher deve ser estimulada a conhecer o que é normal em suas mamas e a perceber alterações suspeitas de câncer, por meio da observação e palpação ocasionais de suas mamas, em situações do cotidiano.