Economia

Diesel fica R$0,40 mais caro nas refinarias a partir desta terça-feira

O preço médio para as distribuidoras passa de R$ 4,51 para R$ 4,91 por litro. Gasolina e gás de cozinha não sofrerão aumento.

Por Redação do Portal A8SE e R7 10/05/2022 06h49
Diesel fica R$0,40 mais caro nas refinarias a partir desta terça-feira
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O terceiro aumento no preço do diesel deste ano começa a vigorar nas refinarias a partir desta terça-feira (10). De acordo com a Petrobras, o preço médio de venda para as distribuidoras passa de R$4,51 para R$4,91 por litro, representado pelo reajuste de 8,8%. Por sua vez, os preços da gasolina e do gás de cozinha permanecerão inalterados.

O aumento, em tese, não é repassado imediatamente ao consumidor, mas a previsão é que a alta seja de 4% a 5% nos postos de combustíveis. Na última semana, o preço médio do diesel nos postos do país era de R$6,630 o litro, conforme o levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Caso a expectativa se concretize, o valor médio será fixada em R$6,96 o litro.

Ainda segundo a Petrobras, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel para a composição do diesel comercializado nos postos, a parcela da petroleira no preço pago pelo consumidor passará de R$4,06, em média, para R$4,42 por litro.

A empresa justificou o aumento ressaltando que o último reajuste ocorreu há dois meses, em 11 de março, quando "refletia apenas parte da elevação observada nos preços de mercado".

"Com esse movimento, a Petrobras segue outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda acompanhando os preços de mercado", informou a estatal.

Na semana passada, o presidente da empresa, José Mauro Coelho, havia defendido a política de preços da companhia ao responder sobre as reclamações do presidente Jair Bolsonaro dos aumentos constantes, em entrevista sobre o lucro recorde do primeiro trimestre deste ano.

A petroleira aponta que, no momento, há uma redução na oferta de diesel, que pressiona os preços globalmente. "Os estoques globais estão reduzidos e abaixo das mínimas sazonais dos últimos cinco anos nas principais regiões supridoras. Esse desequilíbrio resultou na elevação dos preços de diesel no mundo inteiro, com a valorização deste combustível muito acima da valorização do petróleo. A diferença entre o preço do diesel e o preço do petróleo nunca esteve tão alta", frisou.

As refinarias da petroleira operavam com utilização de 93% da capacidade instalada no início de maio, "considerando as condições adequadas de segurança e de rentabilidade", ou seja, perto do nível máximo, mas ainda aquém da demanda doméstica.

Variação de preços

O preço médio do diesel nos postos de combustíveis do país havia aumentado 0,30%, de R$6,610 para R$6,630 o litro na última semana, de acordo com o levantamento da ANP. A gasolina também registrou alta pela quarta semana seguida, de R$7,283 para R$7,295 o litro, elevação de 0,16% e novo recorde do preço médio. Já o etanol registrou queda no valor médio de 1,7%, de R$5,539 para R$5,441, na última semana.

O preço dos combustíveis tem puxado a escalada da inflação. A gasolina representou o maior impacto do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) de abril, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com alta de 7,51% no mês. Já o diesel acumula alta de 49% nos 12 meses entre maio do ano passado e abril deste ano.