Economia

Americanas identifica rombo contábil de R$ 20 bilhões e presidente deixa cargo

Sérgio Rial ficou menos de dez dias no comando da empresa.

Por Redação do Portal A8SE e R7 13/01/2023 11h04
Americanas identifica rombo contábil de R$ 20 bilhões e presidente deixa cargo

A Americanas identificou inconsistências contábeis de R$ 20 bilhões ligadas à conta de fornecedores. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (11).

Em virtude do rombo, o presidente-executivo, Sérgio Rial, decidiu deixar a companhia com apenas dez dias à frente do comando. Ele será substituído interinamente por João Guerra, oriundo das áreas de tecnologia da Americanas e "não envolvido anteriormente na gestão contábil ou financeira".

O grupo afirma que a decisão refletiu a "alteração de prioridades da administração", mas Sérgio Rial continua como assessor dos acionistas de referência, os bilionários Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles. Apesar de não conseguir determinar todos os impactos no balanço da empresa neste momento, acredita-se que "o efeito caixa dessas inconsistências seja imaterial".

Ainda de acordo com a Americanas, as inconsistências foram detectadas em redutores da conta de fornecedores em anos anteriores, incluindo 2022, e a cifra de R$ 20 bilhões refere-se à data-base de 30 de setembro passado.

Dona dos sites de varejo Submarino e Americanas.com e da fintech Ame, a Americanas disse ter identificado financiamentos de compras nas quais ela é devedora e que "não se encontram adequadamente refletidas" no balanço.

Como referência, o atual valor de mercado da Americanas, um dos maiores grupos varejistas da América Latina, é de cerca de R$ 11 bilhões. O patrimônio líquido da companhia no fim de setembro era de R$ 14,7 bilhões.

Para profissionais do mercado, o anúncio deve acertar em cheio as ações da companhia. "Como uma empresa do tamanho da Americanas, cujos relatórios financeiros passam por auditoria, consegue esconder R$ 20 bilhões de dividas. Para nós, isso vai gerar um fluxo vendedor muito grande", questionou Fabrício Gonçalves, presidente da Box Asset Management.

O conselho de administração da empresa determinou a criação de um grupo para apurar as circunstâncias que geraram os problemas na contabilidade.

Ações

A ação da Americanas, formada em 2021 com a união das lojas físicas do grupo com a operação online que estava sob a antiga B2W, teve em 2022 queda de 68,7%, em linha com a desvalorização das ações de empresas de tecnologia, diante de desaceleração das vendas e da inflação e dos juros altos. No terceiro trimestre, a Americanas teve prejuízo de mais de R$ 200 milhões.

Em agosto, as ações da Americanas chegaram a disparar quase 20% em um só dia, após o anúncio de que, em substituição a Miguel Gutierrez, que ocupava o cargo por 20 anos, Rial assumiria o comando da empresa, o que aconteceu semana passada.

A Americanas deve divulgar seus resultados de 2022 em 29 de março. Analistas, segundo dados da Refinitiv, esperam um lucro operacional medido pelo Ebitda de R$ 2,9 bilhões e receita líquida de R$ 28,7 bilhões para o acumulado do ano passado.