Mundo

16/05/2011 às 10h58

Saiba como identificar e tratar os diferentes tipos de dor de cabeça

Redação Portal A8

A dor de cabeça é um mal que não distingue idade, sexo ou raça. Todos, alguma vez na vida, sentirão tal desconforto. Segundo a neurologista Celia Roesler, membro da Sociedade Internacional de Neurologia, existem quase 300 tipos diferentes de dor de cabeça, classificados de acordo com a gravidade e recorrência.

Uma pesquisa recente divulgada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmou que a dor de cabeça é um dos problemas de saúde mais comuns no mundo. De acordo com o estudo, estima-se que até 75% dos adultos de 18 a 65 anos sofreram com dores de cabeça no ano passado.

Outros dados, divulgados pela Academia Brasileira de Neurologia, afirmam que, dos 190 milhões de brasileiros, 93% já tiveram dor de cabeça em alguma época da vida e 31% precisariam de tratamento médico em razão dos problemas que a dor pode causar - desde a incapacidade de trabalhar e estudar até a piora da qualidade de vida.

A enxaqueca e a cefaleia tensional são os tipos de dor de cabeça mais comuns entre os brasileiros, explica o neurologista Marcelo Ciciarelli, presidente da Sociedade Brasileira de Cefaleia. Quando frequente, qualquer tipo de dor na região craniana deve ser tratado, afirma Ciciarelli.

"Pessoas com cefaleia frequente tem que procurar um tratamento adequado para evitar abuso de analgésico, que só vai ajudar a aumentar a frequência da dor e diminuir o efeito dos analgésicos produzidos pelo próprio corpo para combatê-la".

Além do tratamento, vale saber quais fatores desencadeiam as dores para evitá-las, sugere o neurologista Carlos Bondini, diretor científico da Sociedade Brasileira de Cefaleia. Aquela dor que aparece depois de fazer exercícios físicos ou de uma relação sexual pode ser perigosa.

"A dor de cabeça que aparece depois de uma tosse forte, do esforço físico ou da atividade sexual é sempre encarada como situação de alerta e preocupa os médicos".

Na próxima quinta-feira (19), Dia Nacional da Cefaleia, eventos espalhados pelo país vão levar informações sobre o problema.

Fonte:R7