Mundo

15/11/2010 às 12h02

Membros do governo pedem demissão e agravam crise na Itália

Redação Portal A8

A crise política na Itália se agravou nesta segunda-feira (15) com a entrega das cartas de demissão de cinco importantes membros do governo, informou a imprensa europeia.

O vice-ministro do Desenvolvimento, Adolfo Urso, o ministro para Política Europeia, Andrea Ronchi, o subsecretário da Agricultura, Antonio Buonfiglio e o subsecretário do Meio Ambiente, Roberto Menia, cumpriram as ameaças de deixar a administração do primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

Também se demitiu um quinto membro do Executivo, Giuseppe Maria Reina, secretário de Infraestrutura e Transporte, membro do pequeno partido siciliano MPA.

Todos os políticos demissionários se aliaram ao presidente do Parlamento italiano, Gianfranco Fini, que em julho rompeu com Berlusconi, um ano depois de ambos terem fundado o partido Povo pela Liberdade.

Depois de romper com Berlusconi, Fini criou um novo partido, o Futuro e Liberdade para a Itália (FLI), ao qual os membros do governo que pediram demissão nesta segunda-feira se juntaram, de acordo com fontes da legenda.

Com a saída dos dissidentes do governo conservador, o primeiro-ministro será obrigado a reformar o gabinete. Berlusconi já havia solicitado na última terça-feira (9) a mediação de seu aliado Umberto Bossi, líder da Liga Norte, para evitar a queda do governo com a atual crise política. A tentativa, no entanto, parece ter sido em vão.

O primeiro-ministro se nega a deixar o cargo, apesar dos pedidos de Fini e da oposição italiana para que renuncie. De acordo com o jornal Corriere della Sera, as demissões dos membros do governo podem acelerar a queda de Berlusconi.

Escândalos agravam crise

A grave crise na Itália ameaça o futuro político de Berlusconi, magnata das comunicações que vem perdendo popularidade nos últimos meses após 15 anos de poder.

 Foto:R7