Brasil

25/05/2018 às 07h18

Mesmo após acordo, caminhoneiros seguem com protestos pelo 5° dia

R7

Mesmo após firmar acordo com o governo na noite de quinta-feira (24), os protestos dos caminhoneiros continuam nesta sexta-feira (25) pelas rodovias que cortam o País.

Além da falta de combustível nos postos, a paralisação já afeta o abastecimento de mercadorias em supermercados; os aeroportos registram falta querosene, o que prejudica as decolagens; o fornecimento de energia elétrica em Rondônia; entre outros reflexos.

 

Em entrevista à RecordTV, o presidente da Federação dos Caminhoneiros Autônomos do Estado de São Paulo, Claudinei Natal Pelegrini, disse que o "movimento é espontâneo e espontâneo vai ficar".

— O que garante que na semana que vem não coloquem outra tarifa?

Pelegrini diz que os caminhoneiros possuem o apoio da população. "Eles sabem que a reivindicação é justa, caso contrário [a população] teria se voltado contra nós", diz. Para ele, os brasileiros "sentem o momento gravíssimo" e "entendem os protestos".

Ontem, após reunião que se estendeu ao longo de todo o dia no Palácio do Planalto, o governo federal anunciou que parte das entidades que representam os caminhoneiros assinaram um termo de acordo para suspender a paralisação feita pela categoria no país por 15 dias.

O anúncio foi feito pelo ministro dos Transportes, Valter Casimiro, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha e o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.  O governo afirma que vai congelar o preço do diesel por 30 dias, já com a redução anunciada pela Petrobras, e se comprometeu também em reduzir a zero a Cide (Contribuições de Interveção no Domínio Econômico) para o ano de 2018.


Fonte: R7