Brasil

29/09/2009 às 07h23

PF ganha fama com operações, mas quase ninguém fica preso

Redação Portal A8

As famosas operações da Polícia Federal são um sucesso na TV, mas um fracasso na prática. Elas prendem com estardalhaço políticos e empresários, mas logo em seguida somem do noticiário ao mesmo tempo em que os suspeitos também deixam a cadeia. A culpa por tanta impunidade, no entanto, não é da PF, mas da Justiça brasileira, que acaba privilegiando os suspeitos endinheirados com sua lentidão e burocracia. Para medir a eficiência dessas operações, o R7 avaliou cinco delas, e descobriu que praticamente ninguém fica na cadeia.

As operações Anaconda, Vampiro, Sanguessuga, Mecenas e Navalha prenderam 125 pessoas quando apareceram na mídia. Desses presos, apenas um está atrás das grades: o juiz João Carlos da Rocha Mattos, pego na operação Anaconda, que investigou um esquema de venda de sentenças para ajudar criminosos.

Os outros acusados nessas operações respondem aos processos em liberdade, mas a responsabilidade por ninguém ficar na cadeia é menos da PF e mais da burocracia da Justiça brasileira, que, lenta, privilegia os acusados com dinheiro suficiente para retardar sua condenação. Depois que a PF prende os suspeitos, ela perde o controle sobre as operações porque dá lugar à Justiça: é hora de começar os julgamentos. E é quando a impunidade começa.

Quem for preso em uma operação da PF, por exemplo, precisa ser libertado em até cinco dias porque essas prisões são temporárias: foram criadas somente para evitar que o suspeito invente provas ou intimide testemunhas assim que é surpreendido pela polícia. Depois disso, se esse período não for renovado por mais cinco dias, a Justiça manda soltar quem foi preso.

Fonte: Portal R7