Brasil

18/03/2009 às 17h30

Corpo de Clodovil Hernandes é sepultado

O corpo do deputado federal Clodovil Hernandes (PR-SP) foi sepultado às 17h desta quarta-feira (18) no cemitério do Morumbi, Zona Sul de São Paulo, ao lado da mãe, Izabel Sanches Hernandes, no jazigo da família.

Redação Portal A8

O corpo do deputado federal Clodovil Hernandes (PR-SP) foi sepultado às 17h desta quarta-feira (18) no cemitério do Morumbi, Zona Sul de São Paulo, ao lado da mãe, Izabel Sanches Hernandes, no jazigo da família.O velório do deputado, que morreu na terça (17) em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC), foi realizado na Assembléia Legislativa de São Paulo. O caixão foi fechado sob aplausos.
O velório na Assembléia começou por volta das 11h40, no Hall Monumental da Casa, apenas para os amigos. Cerca de 30 minutos depois, as portas foram abertas ao público. Políticos, amigos e fãs prestaram as últimas homenagens ao parlamentar, que foi estilista e apresentador de TV.
No velório, o padre Juarez de Castro, da arquidiocese de São Paulo, deu a última benção a Clodovil, rezando o salmo 23 da Bíblia. "A moda perde o humor e a TV, sua irreverência", disse o religioso.
Clodovil foi velado com uma roupa que ele mesmo desenhou. Durante a manhã, populares formaram uma fila para entrar no velório, que teve cerca de 20 coroas. Entre os remetentes, estavam o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PR, partido de Clodovil, o PT, o DEM, o Senado, a Câmara, a senadora Roseana Sarney (PMDB), e o vice-prefeito de São Bernardo do Campo, Frank Aguiar.
Entre os amigos presentes estava Mauricio Petiz, chefe de gabinete e amigo há 20 anos.
Petiz trabalhava com Clodovil há dez anos, desde que o deputado assumiu o mandato, e morava com ele no apartamento funcional.

"Ele era sempre intenso. Eu sinto um vazio por essa trajetória linda de vida que nos deixa", disse Petiz.
O vice-prefeito de São Bernardo do Campo, Frank Aguiar, foi ao velório por volta das 13h. Ele destacou a personalidade do deputado. "A personalidade do Clodovil era muito importante. As pessoas não podem ter mais de uma cara, e isso era uma das principais qualidades do Clodovil", disse. O cantor e vereador Agnaldo Timóteo, que já foi deputado e pertence ao mais recente partido de Clodovil (o PR) foi até o caixão e cantou a música religiosa "Noites traiçoeiras", do repertório de Padre Marcelo Rossi.
"Eu não posso me comparar com o Clodovil porque eu sou um analfabeto e ele falava cinco línguas diferentes. Ele é um homem que não cometeu os mesmos que eu na vida pública", afirmou o cantor.
O corpo de Clodovil chegou a São Paulo nesta manhã. Ele viajou em avião da FAB, havia deixado a base área de Brasília às 9h20 em direção ao aeroporto de Congonhas, na Zona Sul da capital paulista, onde chegou às 11h16.

Morte
O parlamentar sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) e foi encontrado caído ao lado da cama na segunda-feira (16). Na terça-feira (17), ele passou por exames, e às 15h45 morte cerebral foi constatada pelos médicos.

Mesmo assim, ele foi mantido vivo por equipamentos e medicamentos para que fosse avaliada a possibilidade de doação de órgãos. Entretanto, às 18h50, de terça, ele teve uma parada cardíaca e morreu. Nenhum órgão pôde ser doado.
Carreira política
O deputado, que estava em seu primeiro mandato, ingressou no PR em setembro de 2007, quando deixou o PTC. Ele foi acusado de infidelidade partidária e absolvido, na última quinta-feira (12) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em votação unânime, os ministros entenderam que o parlamentar não desrespeitou a legislação eleitoral ao deixar o PTC.

Em 2006, ele foi eleito deputado federal por 493.951 votos, terceira maior votação do estado de São Paulo, para a legislatura de 2007 a 2011.

Fonte:G1