Economia e Inovação

Por: Sudanês B. Pereira

12/07/2021

Economia Global Pode Perder Mais de US$ 4 Trilhões Devido ao Impacto da Covid-19 no Turismo

A queda no turismo internacional devido à pandemia do coronavírus pode causar uma perda de mais de US$ 4 trilhões no PIB global para os anos de 2020 e 2021, segundo o relatório da Unctad “Covid-19 and Tourism an Update”, publicado em 30 de junho.

O relatório, apresentado em conjunto com a Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas (OMT), afirma que o turismo internacional e seus setores intimamente ligados, sofreu uma perda estimada de US$ 2,4 trilhões em 2020, devido aos impactos diretos e indiretos de uma queda acentuada nas chegadas de turistas internacionais.

A OMT relata que quase todos os países adotaram restrições de viagem, como proibições, controle de vistos e quarentenas. Como resultado, o turismo internacional foi quase totalmente suspenso em abril e maio de 2020. As chegadas de turistas diminuíram 74% entre janeiro e dezembro de 2020, correspondendo a cerca de 1 bilhão de viagens. Ver o gráfico 1.

{{value.image}}
Gráfico 1. Evolução das Chegadas de Turistas Internacionais (em milhares) 2019-2020 .jpg

De acordo com a OMT, a queda nas chegadas de turistas internacionais em 2020 retornou aos níveis de 30 anos atrás, causando uma redução de mais de US$ 900 bilhões nas receitas do turismo internacional, responsável por quase toda a queda nas exportações de serviços. As chegadas de turistas internacionais diminuíram cerca de 1 bilhão ou 74% entre janeiro e dezembro de 2020.

As regiões mais afetadas em 2020 foram, Nordeste Asiático, Sudeste Asiático, Oceania, Norte da África e Sul da Ásia. Os países em desenvolvimento foram os que mais sofreram com o impacto da pandemia no turismo, com reduções no turismo/chegadas em 2020, estimadas entre 60% e 80%. As regiões menos afetadas foram América do Norte, Europa Ocidental e Caribe.

Quase metade dos especialistas em turismo entrevistados pela OMT, vê um retorno aos níveis de 2019, somente em 2024, ou mais tarde. As principais barreiras apontadas são as restrições às viagens, contenção lenta do vírus, baixa confiança do viajante e um ambiente econômico ruim. O turismo é uma importante fonte de renda para muitos países em desenvolvimento. O setor tem barreiras a entrada relativamente baixas, e emprega uma grande proporção de jovens e mulheres. A OMT estima que entre 100-120 milhões de empregos diretos no turismo estão em jogo. No primeiro trimestre de 2021, o Barômetro Mundial do Turismo da OMT já apontava para um declínio de 88%.

Cenários Possíveis para o Turismo Internacional em 2021

O relatório aponta que uma recuperação do turismo internacional é esperada no segundo semestre deste ano, mas ao mesmo tempo, mostra uma perda entre US$ 1,7 trilhão e US$ 2,4 trilhões em 2021, em comparação com os níveis de 2019.

Os resultados são baseados em simulações que capturam os efeitos da redução apenas do turismo internacional, e não políticas como programas de estímulo econômico que podem amenizar o impacto da pandemia no setor.

A figura abaixo ilustra os três cenários que têm como base as projeções da OMT para 2021, com relação a chegada de turistas. Todos os cenários dependem da condução da vacinação da população, que para os países em desenvolvimento são mais difíceis.

Importante informar que, para o cenário 3 abaixo, o ponto de corte são as economias com 50% de sua população vacinada no final de maio. Existem 55 dessas economias, de acordo com Our World in Data. Isso inclui os principais países de destino, como Estados Unidos, Itália, França e Espanha, bem como outras economias menores. O turismo deve ter uma recuperação mais rápida em países com altas taxas de vacinação, como França, Alemanha, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos.

{{value.image}}
Fig.1 Cenários para o Turismo Internacional em 2021.jpg

Os cenários apresentados no relatório, mostram que quando o turismo cai, o PIB mundial sofre queda significativa. Nos três cenários, as perdas maiores são para os países em desenvolvimento. Ver o quadro 1 abaixo.

{{value.image}}
Quadro1. Cenários para o Turismo Mundial em 2021 .jpg

Além das significativas quedas do PIB, consequências da redução da receita do turismo, o estudo também revelou estimativas para as quedas nas vendas globais de turismo para cada cenário: US$ 934 bilhões no cenário 1, US$ 695 bilhões no cenário 2 e US$ 676 bilhões no cenário 3.

O Efeito Cascata no Turismo

Uma queda no setor do turismo pode acarretar efeitos Intersetoriais. O relatório cita que a redução das atividades do turismo provoca, em média, um aumento de 5,5% no desemprego de mão de obra não qualificada, com uma variação elevada de 0% a 15%, dependendo da importância do turismo para a economia. A mão-de-obra representa cerca de 30% das despesas com serviços turísticos nas economias desenvolvidas e em desenvolvimento.

Em julho do ano passado, a Unctad estimou que uma paralisação de quatro a 12 meses no turismo internacional, custaria à economia global entre US$ 1,2 trilhão e US$ 3,3 trilhões, incluindo custos indiretos. A figura 2 ilustra como o efeito da queda da receita global do turismo leva a uma perda significativa do PIB real global.

{{value.image}}
Fig.2 Efeito da Queda da Receita Global de Turismo no PIB Global.jpg

Algumas Considerações

O turismo é um setor econômico relevante e tem uma importância socioeconômica particular, uma vez que emprega muitas mulheres e jovens, e fornece um meio de vida para muitos trabalhadores informais nos países em desenvolvimento.

A atual pandemia paralisou o setor de turismo. O relatório orienta os governos a tomar decisões estratégicas, para trabalhadores e empresas do setor. Algumas empresas de turismo não sobreviverão, mesmo depois que as restrições a viagens forem removidas. Os governos precisam decidir quais apoiar e por quanto tempo. As implicações de longo prazo da pandemia precisam ser consideradas.

A Unctad recomenda a importância de mitigar os impactos socioeconômicos em relação aos meios de subsistência das pessoas que vivem do turismo, uma ação importante é ofertar treinamento a essa mão de obra, além dos benefícios sociais.

Por fim, a recuperação dependerá em grande medida da adoção rápida de vacinas, da remoção das restrições de viagens e da reconstrução da confiança dos viajantes.

Boa semana!

Sobre o blog

Economista, com formação na Universidade Federal de Sergipe (UFS), Mestre em Geografia (desenvolvimento regional) e Especialista em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Experiências no setor governamental (municipal e estadual), setor privado (Associação Comercial Empresarial de Sergipe - ACESE e Federação do Comércio de Bens e Serviços e Turismo - Fecomércio), foi professora substituta no Departamento de Economia na UFS, pesquisadora e uma das fundadoras do Núcleo de Propriedade Intelectual, hoje Cintec-UFS.

Arquivos