Economia e Inovação

Por: Sudanês B. Pereira

21/02/2022

Comércio global atinge recorde de US$ 28,5 trilhões em 2021

A publicação da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), “Global Trade Update”, divulgada em 17 de fevereiro mostra que, em 2021, o comércio mundial de bens permaneceu forte e o comércio de serviços retornou aos níveis pré-COVID-19.

Segundo a publicação, o valor do comércio global atingiu US$ 28,5 trilhões em 2021, isso representa um aumento de 25% em relação a 2020 e 13% maior que 2019, antes da pandemia da Covid-19.

PRINCIPAIS DESTAQUES

  1. A maior parte do crescimento do comércio global ocorreu durante o primeiro semestre de 2021, o progresso continuou no segundo semestre do ano.
  2. Após um terceiro trimestre relativamente lento, o crescimento do comércio acelerou no quarto trimestre, quando o comércio de bens aumentou quase US$ 200 bilhões, atingindo um novo recorde de US$ 5,8 trilhões.
  3. O comércio de serviços aumentou US$ 50 bilhões, atingindo US$ 1,6 trilhão, um pouco acima dos níveis pré-pandemia.

Não obstante o resultado do comércio global ser um recorde, o comércio cresce, assim como os desequilíbrios comerciais, como veremos a seguir.

PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO GLOBAL

De acordo com a Unctad, a tendência positiva do comércio internacional em 2021 foi em grande parte resultado de a) aumentos nos preços das commodities, b) redução das restrições da pandemia e c) uma forte recuperação da demanda, devido aos pacotes de estímulo econômico. Como essas tendências provavelmente diminuirão, espera-se que em 2022 o comércio internacional se normalize. Em geral, a evolução do comércio mundial em 2022 poderá ser afetada por alguns movimentos, entre os quais:

1.Crescimento econômico mais lento do que o esperado

As previsões de crescimento econômico para 2022 estão sendo revisadas para baixo, o FMI também revisou suas projeções. Espera-se que o crescimento de 4,4%, refletindo amplamente as reduções previstas nas duas maiores economias – China e Estados Unidos. É provável que as tendências do comércio global reflitam as tendências macroeconômicas, com um crescimento do comércio abaixo do esperado.

2. Desafios contínuos para as cadeias de suprimentos globais

A pandemia de COVID-19 resultou em pressões sem precedentes nas cadeias de suprimentos. Três movimentos importante pressionaram as cadeias globais: 1) as interrupções logísticas, 2) a escassez de semicondutores, e 3) o aumento dos preços da energia, que contribuíram ainda mais para a escassez de suprimentos e a espiral dos custos. Como resultado, as principais empresas se concentraram fortemente em melhorar a confiabilidade e gerenciar os riscos de suas redes de fornecimento, mas os atrasos persistiram. Os esforços para encurtar as cadeias de suprimentos e diversificar os fornecedores podem afetar os padrões de comércio global já em 2022.

3. Acordos comerciais e tendências de regionalização

Em janeiro deste ano, a Parceria Econômica Regional Abrangente (Regional Comprehensive Economic Partnership - RCEP) entrou em vigor. O bloco inclui 15 nações do Leste Asiático e do Pacífico, de diferentes tamanhos econômicos e estágios de desenvolvimento. Eles são Austrália, Brunei Darussalam, Camboja, China, Indonésia, Japão, República da Coréia, Laos, Malásia, Mianmar, Nova Zelândia, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã.

Segundo a Unctad, o RCEP se tornará o maior acordo comercial do mundo medido pelo PIB de seus membros - quase um terço do PIB mundial. Em comparação, outros grandes acordos comerciais regionais por participação no PIB global são o bloco comercial sul-americano Mercosul (2,4%), a área de livre comércio continental da África (2,9%), a União Europeia (17,9%) e os Estados Unidos-México-Canadá (28%). Para a Unctad, o RCEP será o centro de gravidade para o comércio global.

Este acordo comercial facilita o comércio entre as economias do Leste Asiático e do Pacífico, e espera-se que aumente significativamente o comércio entre os membros, inclusive desviando o comércio de países não membros. A regionalização dos fluxos de comércio também deverá aumentar em outras partes do mundo, com outras iniciativas regionais, a exemplo da Área de Livre Comércio Continental Africana, assim como pela crescente dependência de fornecedores geograficamente mais próximos.

4. Transição para uma economia global mais verde

Esse ponto aqui é extremamente relevante. Os analistas da Unctad esperam que os padrões de comércio em 2022 reflitam a crescente demanda global por produtos ambientalmente sustentáveis. Esses padrões, podem ser apoiados por políticas governamentais que regulam o comércio de produtos com alto teor de carbono.

Além disso, os padrões de comércio global também podem ser influenciados pelo aumento da demanda de commodities estratégicas, necessárias para apoiar alternativas de energia mais verdes (por exemplo, cobalto, lítio e metais de terras raras).

5. Crescentes preocupações sobre a sustentabilidade da dívida

Dados os níveis recordes da dívida global, as preocupações com a sustentabilidade da dívida provavelmente se intensificarão nos próximos trimestres devido às crescentes pressões inflacionárias. O documento do FMI também salienta essa preocupação. Um aperto significativo das condições financeiras aumentaria a pressão sobre os governos mais endividados, ampliando vulnerabilidades e afetando negativamente os investimentos e os fluxos de comércio internacional.

TENDÊNCIAS COMERCIAIS NAS PRINCIPAIS ECONOMIAS

As tendências de importação e exportação de algumas das principais economias comerciais do mundo ilustram ainda mais os padrões de crescimento do comércio durante os últimos trimestres. Os dados da Unctad mostram que, no quarto trimestre de 2021, o comércio de mercadorias em todas as principais economias ficou bem acima dos níveis pré-pandemia em 2019, tanto para importações quanto para exportações. O crescimento das exportações neste período permaneceu forte para a China, Estados Unidos e Coreia do Sul.

Os dados sobre os serviços ainda não tinham sido computados quando da divulgação do relatório de fevereiro, mas os dados do terceiro trimestre de 2021 mostram que houve recuperação para a maioria das principais economias, com exceção do Japão. Ver a tabela abaixo.

{{value.image}}
Tab 1. Importações e exportações das principais economias comerciais.png

TENDÊNCIAS DO COMÉRCIO REGIONAL

De acordo com os dados da Unctad, no quarto trimestre de 2021, o comércio de bens aumentou mais para os países em desenvolvimento do que para países desenvolvidos.

O crescimento do comércio entre os países em desenvolvimento (Sul-Sul) ultrapassou o comércio global durante o quarto trimestre de 2021, com um aumento de cerca de 32% em relação ao quarto trimestre de 2020, e um aumento de cerca de 38% ao excluir as economias do Leste Asiático. Padrões semelhantes são encontrados ao comparar o quarto trimestre de 2021 com os níveis pré-pandemia. Ver a tabela 2.

{{value.image}}
Tab.2 Crescimento do comércio: mais forte nos países em desenvolvimento.png

O relatório mostra também que as taxas de crescimento do comércio no quarto trimestre de 2021 permaneceram fortes em todas as regiões, embora mais baixas na Europa, América do Norte e Leste Asiático. O crescimento das exportações foi geralmente mais forte nas regiões exportadoras de commodities, uma vez que os preços das commodities aumentaram. Ver o mapa abaixo.

{{value.image}}
O crescimento do comércio continua muito forte em todas as regiões.png

TENDÊNCIAS DO COMÉRCIO GLOBAL A NÍVEL SETORIAL

Claramente, o comércio mundial apresentou crescimento em todos os setores econômicos, com exceção dos equipamentos de transporte, considerando a comparação no quadrimestre de cada ano (2021-2019, 2021-2020).

Como mostra o gráfico abaixo, os setores de energia, metais, e produtos químicos se destacam. Segundo a Unctad, os altos preços dos combustíveis estão por trás do forte aumento no valor do comércio do setor de energia. O crescimento do comércio também foi acima da média para metais e produtos químicos. Como resultado da escassez global de semicondutores, o crescimento do comércio de equipamentos de comunicação, veículos rodoviários e instrumentos de precisão, foi moderado durante o quarto trimestre de 2021.

{{value.image}}
Crescimento do comércio na maioria dos setores (variações em US$ %).png

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

O relatório alerta que as grandes e imprevisíveis oscilações na demanda que marcaram 2021 e levaram ao aumento do estresse nas cadeias de suprimentos, podem continuar em 2022 e, portanto, afetar negativamente o comércio e remodelar os fluxos comerciais em todo o mundo. O relatório também destaca o risco de uma escassez contínua de semicondutores. Os fatores geopolíticos também podem desempenhar um papel na mudança dos padrões de comércio. Fiquemos atentos.

Além disso, a Unctad fala do crescimento “abaixo das expectativas” da China no terceiro trimestre de 2021. Cabe lembrar, que taxas de crescimento econômico abaixo do esperado geralmente se refletem em tendências de comércio global mais baixas, lembremos também que as pressões inflacionárias podem impactar negativamente as economias nacionais e os fluxos de comércio internacional.

Excelente semana!

Sobre o blog

Economista, com formação na Universidade Federal de Sergipe (UFS), Mestre em Geografia (desenvolvimento regional) e Especialista em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Experiências no setor governamental (municipal e estadual), setor privado (Associação Comercial Empresarial de Sergipe - ACESE e Federação do Comércio de Bens e Serviços e Turismo - Fecomércio), foi professora substituta no Departamento de Economia na UFS, pesquisadora e uma das fundadoras do Núcleo de Propriedade Intelectual, hoje Cintec-UFS.

Arquivos