Economia e Inovação

Por: Sudanês B. Pereira

22/12/2021

Brasil tem poucas pessoas com habilidades avançadas em TIC

A International Telecommunication Union (UIT), agência especializada das Nações Unidas em tecnologias de informação e comunicação – TICs, lançou em 30 de novembro o relatório “Measuring digital development - Facts and figures 2021”. O relatório faz uma avaliação sobre conectividade digital no mundo. Esse artigo traz os dados sobre o desenvolvimento digital do Brasil

Principais Dados

1.Infraestrutura e acesso

Os dados da UIT mostram que, em 2020, mais de 90% da população era atendida por uma cobertura de rede móvel-celular. Além disso, em 2020 o país tinha 90,11% da população atendida por, pelo menos, uma rede móvel 3G e 88,23% por uma rede móvel 4G. Ver o gráfico 1.

{{value.image}}
Gráfico 1. Brasil: Cobertura de Rede (2020). .png

2. Propriedade de telefone celular

Em 2019, 84,5% das pessoas possuíam um telefone celular no Brasil. Além disso, cerca de 85,78% do total da população feminina tinha a posse de celular em 2019. Ver o gráfico 2.

{{value.image}}
Gráfico 2. Brasil: Propriedade de Telefone Celular (2019).png

3. Acesso da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) em Casa

O Brasil ainda precisa avançar no que se refere ao acesso à tecnologia da informação e comunicação, apenas 39% das famílias têm um computador em casa, equipamento importante para acessar informação e conhecimento. O país precisa melhorar também a disponibilidade de internet no campo, isso certamente melhoraria o acesso à educação, a qualidade de vida dos moradores da área rural, como também a produtividade e a eficiência no campo. Ver o gráfico 3.

{{value.image}}
Gráfico 3. Acesso da Tecnologia da Informação .png

4. Uso da Internet

4.1 Porcentagem da População que usa a Internet

É evidente que, ao longo dos anos, o percentual da população que usa internet cresce acentuadamente no país, alcançando 74% da população em 2019. Ainda, em torno de 73% do total da população feminina do país, acessava a internet em 2019, como também 74% do total da população masculina. Cerca de 92% do total da população jovem entre 15-24, acessava a internet em 2019. Ver o gráfico 4.

{{value.image}}
Gráfico 4. Brasil: Porcentagem da População que Usa a Internet (2010-2020).png

4.2 Habilidades de TIC

Uma das informações mais importantes que o relatório trás sobre o desenvolvimento digital do Brasil, diz respeito às habilidades digitais de sua população. Estas são essenciais e fundamentais para melhorar a competitividade do país em um mundo e uma economia cada vez mais digital.

A demanda por digitalização e habilidades digitais aumenta a cada ano no mundo, e conforme novas ferramentas, serviços e plataformas digitais são colocadas no mercado, exige-se das pessoas um aprendizado constante. As habilidades digitais analisadas no relatório dizem respeito às habilidades básica, padrão e avançada.

Segundo a UIT, são chamadas de habilidades digitais básicas as que ajudam os indivíduos a participar de um ecossistema digital em um nível mínimo, acessando e usando tecnologias digitais para realizar tarefas básicas.

As habilidades padrão se aplica a uma ampla gama de requisitos de trabalho hoje em dia. Elas abrangem a capacidade de utilizar as TIC para realizar tarefas relacionadas com o trabalho, e constitui uma chave para o acesso ao emprego, com forte contribuição para o crescimento profissional de uma sociedade.

Já as habilidades avançadas dizem respeito às competências necessárias para pesquisar, projetar, desenvolver, produzir, instalar, gerenciar e manter sistemas e software de TIC, para a continuidade de sistemas e operações de negócios. A figura abaixo resume alguns exemplos das respectivas habilidades digitais.

{{value.image}}
Figura 1. Habilidades Digitais.png

Considerando a proporção da população com habilidades básica, padrão e avançada, os dados revelaram que a maioria das pessoas no país tem predominância nas habilidades básicas (20,12% em 2018, último dado), e poucos indivíduos com habilidades avançadas (2,69% em 2019).

Esse resultado é preocupante. Isso pode, inclusive, impedir ou mesmo retardar que empresas adotem tecnologias digitais que poderiam tornar seus negócios mais bem-sucedidos. Essa lacuna também revelada uma impressionante escassez de habilidades digitais, já apontada em diversas pesquisas. Ver o gráfico 5.

{{value.image}}
Gráfico 5. Brasil: Habilidades de TIC (%).png

Algumas considerações

Não obstante do país apresentar vários indicadores com bons resultados no relatório, ainda temos muito a fazer. Penso que um dos maiores desafios é preparar uma força de trabalho ao mesmo tempo que o mercado está sendo redefinido. Em outros momentos tínhamos a “percepção” que poderíamos qualificar a população em tempo, porém, com a revolução digital na era do conhecimento, não temos esse tempo, o tempo urge.

Se não produzirmos uma estratégia clara de desenvolvimento, no seu sentido mais amplo, não somente no sentido econômico, o país estará comprometendo mais ainda sua competitividade frente a um mundo em rápida transformação.

Excelente semana!

Sobre o blog

Economista, com formação na Universidade Federal de Sergipe (UFS), Mestre em Geografia (desenvolvimento regional) e Especialista em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Experiências no setor governamental (municipal e estadual), setor privado (Associação Comercial Empresarial de Sergipe - ACESE e Federação do Comércio de Bens e Serviços e Turismo - Fecomércio), foi professora substituta no Departamento de Economia na UFS, pesquisadora e uma das fundadoras do Núcleo de Propriedade Intelectual, hoje Cintec-UFS.

Arquivos