Esportes

26/11/2015 às 11h01

Manoel Adelmo, técnico do dorense , abre o jogo

Redação Portal A8

O responsável por uma campanha irretocável do time de Nossa Senhora das Sores durante a série A2 do Campeonato Sergipano, faz um balanço até o momento do clube, futuro do time na disputa da série a em 2016, o segundo jogo da final e da nova direção escolhida para gerir o futebol sergipano nos próximos anos.

Um cara polêmico e que como todo apaixonado por futebol deseja o melhor para o esporte mais querido do país, e aqui em Sergipe ele não pensa diferente.

SEGUNDO JOGO DA FINAL

Com a segunda partida sendo disputada em seus domínios, Adelmo afirma que o resultado será revertido, porque seu time irá impor um jogo tático e técnico, sendo jogado em casa com o apoio da massa dorense e com um estádio com condições ideais resultando na sua equipe com o título de campeão. Ele ainda explica que o primeiro jogo foi péssimo em todos os sentidos. O gramado do estádio Caio Feitoza estava em um estado deplorável, impossibilitando a pratica de uma partida de futebol. As dimensões do campo todas fora do padrão mínimo. O técnico ainda repudia a atitude do time do Guarany que ao fazer o gol, catimbou e cozinhou o jogo e quando a bola saia de campo era chutada para o mato que fica em volta do estádio, retardando o reinício do jogo.

Foto: Reprodução Facebook
PREPARAÇÃO PARA 1ª DIVISÃO EM 2016

Adelmo explica que após o clube finalizar sua participação da série A2, os bastidores continuarão em plena movimentação. será montada a nova diretoria e todo planejamento para 2016. O clube quer manter e melhorar sua estrutura para a disputa da 1ª divisão, para que os jogadores mantenham o mesmo nível apresentado na série A2, em que a dedicação e trabalho construíram uma invencibilidade, quebrada apenas no primeiro jogo da semifinal diante do time do Guarany em Porta da Folha.

NOVA FEDERAÇÃO SERGIPANA E FÓRMULA DE DISPUTA

Sempre polêmico, Adelmo afirma que não concorda com o novo formato escolhido para disputa do campeonato sergipano de 2016. Os times pequenos são os que mais sofrem, onde praticamente jogam apenas 3 meses, em um campeonato com apenas jogos de ida, ainda segundo o professor foi uma fórmula “empurrada guela abaixo”.

O calendário do futebol sergipano deveria ter competições de base, para poder manter jogadores em atividade e revelar novos atletas para os clubes. Adelmo ainda espera que Milton Dantas apesar de ser coligado com o atual presidente Carivaldo de Souza, tenha boas ideias para o que o futebol de Sergipe entre e permaneça em evidência.