Sergipe

06/08/2019 às 15h32

Jaguatirica é resgatada em Itabaiana

Agência Sergipe de Notícias

Uma jaguatirica (Leopardus pardalis) foi resgatada na segunda-feira (5) por uma equipe de profissionais da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) em uma

Foto: Adema
propriedade rural no município de Itabaiana, a 56 km de Aracaju.

Após invadir a propriedade e abater toda a criação de galinhas do local, a jaguatirica foi identificada pelo caseiro da propriedade rural. Segundo informações do próprio morador ele improvisou uma armadilha para capturar o mamífero, tendo posteriormente mantido contato com o órgão ambiental que designou a equipe para efetuar o resgate.

Segundo o médico veterinário da Adema, Daniel Allievi, como é de praxe nessas situações, o animal passará por uma avaliação. “Devido a situação da captura, a jaguatirica encontra-se estressada e está ferida no rosto e na cabeça e será encaminhada ao Centro de Tratamento de Animais Silvestres (CETAS), onde passará por análise clínica e nutricional e, após a devida reabilitação, será reinserido em área de reserva ambiental”, explica.

Pertencente à família Felidae Dogênero Leopardus, o mamífero carnívoro tem porte médio entre 72,6 a 100 cm de comprimento e pesa entre 7 e 15,5 kg, e seu pelo é semelhante ao do gato-maracá. A espécie habita todos os tipos de ambiente até cerca de 1200 metros de altitude e se alimenta de roedores, répteis, aves e peixes, possuindo hábitos noturnos.
 
Tamanduá Mirim também foi resgatado

Ainda no dia de ontem, os profissionais da Adema foram acionados por um morador do Conjunto Eduardo Gomes, em São Cristóvão, região da Grande Aracaju, para resgatar um filhote recém-nascido de tamanduá-mirin (tamanduá tetradactyla), abandonado por sua mãe.

De acordo com Daniel Allievi, o estado de saúde do mamífero inspira cuidados. “Talvez por conta do abandono, o filhote encontra-se muito debilitado, com hematomas na região dorsal e arranhaduras no abdômem. Já o encaminhamos ao Cetas e lá ele será submetido à estabilização hídrica e nutricional, receberá dieta específica, devendo ficar sob cuidados por um período maior e, só então ser liberado para soltura em reserva ambiental”, ressalta.  

A Adema informa à população que ao encontrar qualquer tipo de animal silvestre não tente manuseá-los ou abatê-los, sendo prudente entrar em contato com a equipe do órgão ambiental através do telefone 79 3198 7190.


Fonte: Agência Sergipe de Notícias