Sergipe

19/06/2019 às 14h58

Resgate e recuperação de animais silvestres estão entre os serviços mais solicitados a Adema

Agência Sergipe de Notícias

No período de 02 de janeiro a 15 de junho de 2019, entre apreensões, entregas voluntárias e resgates, a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), já realizou

Foto: Arquivo/Adema
avaliação e tratamento em 28 espécies, totalizando 467 animais silvestres.

Através de informações e denúncias por parte da população, o órgão ambiental encaminha profissionais aos locais em questão e realiza os procedimentos de apreensão (quando os animais estão sendo mantidos em cativeiro), resgate (animais encontrados em estabelecimentos comerciais, residências ou vias públicas) e de recolhimento, quando eles são entregues voluntariamente.

De acordo com o diretor-presidente da Adema, Gilvan Dias, o processo realizado pelas equipes é criterioso. “Biólogos e médicos veterinários fazem o levantamento e avaliação dos animais apreendidos ou resgatados. Ao constatar que eles estão saudáveis, são reinseridos na natureza o quanto antes, mas, quando apresentam algum de tipo de enfermidade, são encaminhados para o Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas), administrado pelo Ibama, onde são submetidos a tratamento veterinário que pode durar de dias até meses, para só então regressarem ao habitat”, explica.

Ao longo desses 163 dias, foram resgatados vários tipos de cobras (caninana, cipó, coral, jiboia, salamanta), aves (andorinha, carcará, corujas e papagaios de diversas espécies, gaviões, socó boi e até um Martim pescador), capivara, cágados, iguana, jacarés, jabutis, raposas, tamanduá, veados, totalizando 112 animais.

As entregas voluntárias também foram bastante solicitadas este ano. A Adema recebeu 161 animais silvestres, sendo uma espécie de periquito rei, dois papagaios verdadeiros, diversos tipos de pássaros e dezenas de jabutis. Já por meio de denúncias, o órgão ambiental apreendeu seis jabutis e 197 espécies variadas de pássaros.  

Alerta: Maltratar animais silvestres é crime -  Lei 9605/1998

Baseado na Lei 9605/1998, que criminaliza de maneira efetiva as condutas nocivas ao meio ambiente e fica claro que é proibido apanhar, caçar, perseguir, matar e utilizar-se de qualquer tipo da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória sem a devida permissão, licença ou autorização das autoridades competentes. A Adema endossa o artigo 29, que trata dessas proibições e esclarece à população que ao encontrar qualquer tipo de animal silvestre não tente manuseá-los ou abatê-los. A orientação é entrar em contato com a equipe do órgão ambiental através do telefone (79) 3198-7190 e, em, a partir do mês de julho, também através de um aplicativo para android e IOS, divulgado nos veículos de comunicação.


Fonte: Agência Sergipe de Notícias