Sergipe

08/02/2019 às 15h24

Famílias devem sair das instalações da antiga Clínica Santa Maria em breve

Redação Portal A8

Nesta sexta-feira (8), a Prefeitura de Aracaju esclareceu as motivações que levaram a Defesa Civil Municipal interditar as instalações da antiga Clínica Santa Maria, localizada

Foto: André Moreira
na rua Espírito Santo, no bairro Siqueira Campo. A notificação foi feita com o pedido que as famílias evacuem a área num prazo de 48 horas.

De acordo com o documento emitido pela Defesa Civil, a estrutura consta as seguintes anormalidades: desplacamento de reboco, paredes removidas, tricas e rachaduras, infiltrações, armaduras expostas e em elevado processo corrosivo, fiação elétrica exposta, elevada carga de incêndio e inexistência ou saídas de emergências obstruídas.

Conforme a equipe do programa Cidade Alerta registrou na edição desta quinta-feira (7), as famílias foram pegas de surpresa com a notificação e já clamam por um auxílio do poder público.

Sobre o episódio, a prefeitura emitiu uma nota de esclarecimento sobre a ação oriunda das chuvas. “Foi constatado pelo órgão que as instalações, compostas por três blocos e um anexo, oferecem um grande risco aos habitantes, havendo chances de toda a estrutura entrar em colapso diante da ocorrência de novas chuvas na capital sergipana”, pontuou a administração municipal.

Dessa maneira, a Defesa Civil determinou a interdição do espaço e a Prefeitura de Aracaju, visando à preservação da integridade física dos cidadãos que lá residem, disponibilizou, através da Secretaria Municipal da Assistência Social, um galpão para que as famílias que não tiverem para onde ir possam ser alojadas.

Suporta

Ainda segundo a nota, nesta sexta, as equipes da prefeitura disponibilizaram o suporte para o deslocamento e acolhimento em espaço provisório. “Para quem não tivesse outro local para ir, um galpão na rua Acre. Desta forma, a administração municipal ofereceu as condições necessárias para que se retirassem do local, incluindo todo o auxílio logístico, como três ônibus executivos e três caminhões baús para transporte das pessoas e dos seus pertences”, registrou.

Na nota, a Prefeitura ressaltou que “não esteve no local para obrigar a saída das famílias do imóvel e sim para oferecer as condições para que não ficassem desassistidas diante do risco que correm”.

Por fim, reforçou ficar à disposição das famílias e manter o canal de diálogo aberto com demais instituições. “O objetivo maior é garantir a segurança das pessoas que residem no local”, concluiu.