Sergipe

28/01/2019 às 16h40

Em Japaratuba, órgãos flagram crime ambiental

Agência Sergipe de Notícias

A Superintendência de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (Semarh), Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) e Pelotão Ambiental da Polícia Militar, fizeram,

Foto: Ascom/Sedurbs
nesta segunda-feira (28), uma operação no Rio Japaratuba Mirim, no município de Japaratuba, a 54 quilômetros de Aracaju.  A operação foi resultado de uma denúncia de moradores da cidade, depois que fazendeiros da região fizeram um barreamento no rio e iniciaram a retirada irregular da água.

Quando as equipes chegaram ao local, encontraram uma barragem feita por fazendeiros da região e bombas de captação de água irregular. Logo que foi constatado o crime ambiental nove bombas -- que seriam utilizadas na captação da água -- foram lacradas pelos órgãos responsáveis e a área foi novamente liberada para o uso da população. 

De acordo com o superintendente de Recurso Hídricos e Meio Ambiente, Olivier Chagas, o apelo dos moradores foi feito no fim de semana, por meio de vídeos mostrando o problema e a Semarh, a Adema e a Polícia Militar atenderam prontamente ao pedido. “O governo de Sergipe imediatamente depois de receber a denúncia de uso irregular da água foi ao local verificar a situação”, contou o secretário.

“Nós fizemos o lacre de todas as bombas que estavam fazendo captação irregular da água aqui no rio, porque as pessoas que estão fazendo o barreamento e captação bloquearam o acesso a maioria da população. Quem precisa de água, o agricultor, o pecuarista, e até os moradores que tiram para consumo próprio não estava tendo acesso. Nossa ação hoje foi atendendo a essa denúncia de irregularidades no rio Japaratuba Mirim”, completou o superintendente.

Os fazendeiros, donos das bombas, ainda não foram identificados e, para que seja retirado os lacres dos equipamentos, precisam se apresentar as equipes da Semarh. Após isso, serão notificados e autuados. Barreamento e captação de água sem autorização dos órgãos responsáveis é crime ambiental previsto em lei e o responsável pode ser processado e pagar multa.


Fonte: Agência Sergipe de Notícias