Sergipe

13/08/2018 às 17h33

NAT inicia oficinas de Qualificação Profissional no Japãozinho, Bugio e Matriz

Ascom/SEIDH

Em busca de qualificação profissional, jovens e adultos da capital estão participando das Oficinas oferecidas pelo Núcleo de Apoio ao Trabalho (NAT) a partir desta segunda-

NAT
feira, 13, nos Espaços Cuidar dos bairros Japãozinho e Bugio, na Universidade Federal de Sergipe e no NAT/Matriz - anexo à Secretaria de Estado da Inclusão (Seidh). No Japãozinho, 320 vagas foram disponibilizadas em oficinas que acontecem até a quinta-feira, 16; e no Bugio, 76 vagas para as oficinas de Informática básica e intermediária. No NAT/Matriz, 58 pessoas participaram do curso de Gestão e Liderança; enquanto no laboratório de informática da UFS, outras 40 pessoas participam, desde a semana passada, de oficinas de informática básica e avançada ofertadas pelo NAT.

No Espaço Cuidar Bugio, a aula de Informática Básica atraiu 38 moradores do bairro, entre jovens e adultos. Um deles foi Daniel Conceição de Jesus, 20 anos. Ele busca o primeiro emprego e conta que a oficina é uma oportunidade de aprendizado. “Aprendi muitas coisas sobre informática e, hoje, vi como se formata um computador. Achava que fosse difícil, mas vi que é bem simples e rápido. Com esse conhecimento e o curso em meu currículo, vou ter mais oportunidades de entrar no mercado de trabalho”, disse.

No Espaço Cuidar do Japãozinho, a jovem Ágata Ariele Santo participou da oficina de Elaboração de Currículo e Entrevista de Emprego. Para ela, a capacitação é muito importante no seu aperfeiçoamento profissional. “O mercado de trabalho está muito difícil, ainda mais para as pessoas trans. Então, nosso currículo tem que estar recheado. Aqui aprendi a fazer meu currículo da maneira correta. Antes, colocava várias coisas desnecessárias e, a partir de agora, vou inserir só que realmente importa. Isso vai me ajudar a conquistar vagas de trabalho”, revelou.

Ministrante da oficina, Cleonice Santos disse que Ágata, assim como toda a turma, estava muito interessada e participativa. Segundo ela, a oficina foi uma iniciativa do NAT após receber o feedback de empresas sobre os currículos dos encaminhados. “Nossa oficina é totalmente voltada para a elaboração do currículo e a entrevista. Para que as pessoas aprendam elaborar um bom currículo e, também, saibam como proceder nas entrevistas. É um diferencial que pode aumentar as chances de conseguir a vaga”, explicou.

A coordenadora do Espaço Cuidar Japãozinho, Cristina Alves, contou que as Oficinas eram um sonho antigo da comunidade. “Conseguimos essa parceria com o NAT para trazer as capacitações. Quando abrimos as inscrições, a procura foi muito grande e formamos uma lista de espera. O Japãozinho tem um número elevado de desempregados. Essa é uma maneira de tentar mudar esse cenário”, finalizou.

NAT Matriz

Esta segunda-feira, 13, também foi dia de oficina de Gestão e Liderança no auditório NAT Matriz, com a participação de 58 usuários. Foi uma manhã repleta de aprendizado, dinâmicas de grupo e muita orientação.

Atualmente, Miguel Menezes dos Santos, 58, está desempregado e busca uma oportunidade no segmento de estoque e auxiliar de depósito. Ele conta que este é o 12º curso do NAT que participa e viu na oficina de Gestão e Liderança a ampliação dos seus horizontes profissionais. “Gosto muito dos cursos do NAT. Eles são importantes para nossa bagagem. Saio com grande aprendizado e preparado para futuras entrevistas de emprego”, afirmou.

Tereza Cristina Santos, 51, conta que tomou conhecimento das Oficinas de Qualificação Profissional através da divulgação do próprio NAT, onde possui cadastro, e não pensou duas vezes em participar. “É a primeira vez que faço os cursos e este módulo foi rico em detalhes e ensinamentos. Já estou inscrita para o curso de Língua Portuguesa. Ganhei até certificado. Hoje em dia, ter qualificação profissional é tudo”, comemorou Tereza, motivada.

Para a professora Maria Thereza Gomes, mediadora do curso de Gestão e Liderança, as Oficinas de Qualificação fazem a diferença para quem busca uma recolocação profissional ou avançar na carreira. “São pessoas que estão se preparando para o mercado de trabalho ou que já atuam e desejam se aperfeiçoar. Esse módulo foi especial para que cada um pudesse fazer uma autoavaliação através do conteúdo desenvolvido assim como um despertar para o aprimoramento. É importante que cada um busque sempre mais conhecimento”, pontuou.


Fonte: Ascom/SEIDH