Sergipe

26/04/2018 às 12h18

Peixe-boi marinho 'Astro' atropelado por embarcação apresenta melhora

Fundação Mamíferos Aquáticos

Foto: FMA
Animal passa por tratamento após ter sido atropelado por embarcação motorizada entre o litoral sul de Sergipe e norte da Bahia

O peixe-boi marinho “Astro”, atropelado recentemente por uma embarcação motorizada entre o litoral sul de Sergipe e norte da Bahia, está sendo monitorado diariamente pela Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA), por meio das  equipes do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho (PVPBM) – uma estratégia de conservação e pesquisa da FMA para evitar a extinção desta espécie no Nordeste do Brasil – e do Subprograma Regional de Monitoramento de Encalhes e Anormalidades -PRMEA (realizado pela FMA e  Instituto de Tecnologia e Pesquisa - ITP).  O animal – que ficou bastante ferido no acidente, apresentando marcas por todo o corpo ocasionadas por hélice e casco de embarcação – está recebendo medicação e tratamento adequado. Como “Astro” recebeu um equipamento de telemetria satelital, durante os procedimentos realizados no último dia 10 de abril, ficou mais fácil para equipe localizá-lo e realizar um tratamento mais efetivo. O animal está respondendo bem ao tratamento.

“Ainda que as lesões encontradas tenham sido extensas, após alguns dias de execução das medicações já se constata o processo de cicatrização em curso e a expectativa é que ao término do tratamento, que ainda transcorrerá por semanas, teremos um final bem-sucedido”, adianta o médico veterinário João Carlos Gomes Borges, coordenador do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho.  A equipe do PVPBM orienta que os condutores de embarcações motorizadas tenham atenção na ocasião de acionamento dos motores, pois muitas vezes este espécime encontra-se no entorno das lanchas. Além disto, a orientação é para reduzir a velocidade de navegação nas áreas utilizadas por este animal.

“A estratégia de conservação dos peixes-bois marinhos depende da integração de vários atores sociais e, neste sentido, é de grande importância que os condutores de embarcações, bem como turistas que visitam a região e os moradores locais, atentem-se que a praia do Saco (SE) e Mangue Seco (BA) são áreas utilizadas por este animal. Pedimos atenção na condução das embarcações no sentido de evitar novas colisões, e também para as pessoas não tocarem no animal e nem oferecerem alimentos”, explica João Carlos Gomes Borges.

O Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho - realizado pela Fundação Mamíferos Aquáticos e patrocinado pela PETROBRAS, por meio do Programa Petrobras Socioambiental – atua nas áreas de pesquisa, tecnologia de monitoramento via satélite, manejo, educação ambiental, desenvolvimento comunitário, fomento ao turismo eco pedagógico e políticas públicas. Caso alguém encontre um peixe-boi marinho encalhado (vivo ou morto), o primeiro procedimento é comunicar ao órgão ambiental atuante na região ou entrar em contato com a Fundação Mamíferos Aquáticos, pelos telefones: (83) 99961-1338/ (83) 99961-1352/ (79) 3025-1427. Em casos de encalhe de animais vivos, enquanto aguarda a chegada do resgate, a pessoa deve seguir as seguintes orientações: 1- Se o animal estiver exposto ao sol, proteja-o fazendo uma sombra; 2- Não o alimente e nem tente devolvê-lo à água; 3- Evite aglomeração a sua volta.  

As atividades de monitoramento de Praias, desenvolvidas pelo convênio MAR, fazem parte do Subprograma Regional de Monitoramento de Encalhes e Anormalidades na Área de Abrangência da Bacia Sergipe-Alagoas – PRMEA, medida de avaliação de impactos ambientais exigidas pelo licenciamento ambiental federal, constando a Petrobras como empreendedor e conduzida pelo IBAMA.


Fonte: Fundação Mamíferos Aquáticos