Sergipe

27/03/2018 às 11h02

Delegado Alessandro Vieira faz duras críticas aos políticos profissionais e defende o fim da reeleição

Assessoria

O delegado Alessandro Vieira, pré-candidato ao senado pela REDE, concedeu entrevista à jornalista Amália Roeder, da CBN Aracaju, falando sobre os movimentos de renovação que estão surgindo na sociedade como o RenovaBR, Acredito e outros.

Segundo Alessandro Vieira, os movimentos têm como proposito fazer com que a sociedade se engaje na discussão política do país e do Estado de Sergipe, para que a renovação esse ano aconteça. Ele relatou que no último sábado, em evento na ALESE, foi lançado em Sergipe o movimento Acredito, que tem como objetivo renovar o Congresso em 10 anos e tem como principais protagonistas do movimento os jovens, atuando nos pilares de definição de agenda, engajamento dos cidadãos e renovação política.

Indagado sobre qual é o principal problema da atual classe política, que não atende aos anseios da sociedade, o delegado Alessandro Vieira respondeu que a política deve ser uma prestação de serviços à comunidade, mas os políticos tradicionais tornaram essa atividade uma mera profissão, buscando nela sua forma de subsistência ou de enriquecimento. Por essa razão, passam a se submeter ou a patrocinar qualquer tipo de acordo ou esquema ilícito para se manter no poder de forma prolongada.

Segundo Alessandro Vieira, é urgente uma grande renovação na politica sergipana, pois desde a ditadura militar somente 04 ou 05 homens governam o estado e é visível a falta de capacidade técnica e de vontade política para resolver os problemas que afligem a população. O delegado ainda enfatiza que eles dificultam ao máximo que novas lideranças assumam o protagonismo político, visando sempre se perpetuar no poder.

Questionado sobre qual leitura tem dos grupos que tratam o preenchimento dos espaços políticos como herança familiar, o delegado Alessandro Vieira lamenta que ainda perdure uma visão patrimonialista do Estado e enfatiza que para romper isso ele defende o fim da reeleição para cargos majoritários (presidente da República, governador, senador, prefeito) e somente uma reeleição para cargos proporcionais (deputados federais, estaduais e vereadores). "A reeleição tornou-se um câncer, onde os detentores do mandato esquecem da gestão ou do trabalho legislativo e priorizam formas de se manter no poder, causando um mal terrível para a gestão pública".

Sobre segurança pública, o delegado Alessandro Vieira afirmou que a área foi abandonada durante décadas pelos gestores estaduais e federais. Foi a irresponsabilidade dos gestores que sucateou as polícias e deixou nossas fronteiras abertas para o tráfico de drogas e armas que alimentam a criminalidade no Brasil. É preciso fazer uma reestruturação efetiva de segurança pública na legislação, inclusive na Constituição Federal, definindo os papeis de cada órgão e ente federativo, fortalecendo as polícias, garantindo investimento em inteligência e ampliando o emprego das Forças Armadas para a defesa das fronteiras e patrulhamento nas rotas utilizadas pelos criminosos, além da implantação de políticas efetivas nas áreas de educação, emprego e renda.


Fonte: Assessoria