Sergipe

01/02/2018 às 10h19

Maternidade Nossa Senhora de Lourdes passa a realizar teste do coraçãozinho a partir desta quinta-feira

Agência Sergipe de Notícias

A Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL) vem desenvolvendo um trabalho no atendimento às gestantes e aos bebês. A prova disso são os avanços em tratamentos realizados na unidade, a exemplo do teste do coraçãozinho. A Neonatologista Roseane Porto, diretora técnica da MNSL, pontua que a partir desta quinta-feira, 1º de fevereiro, todos os recém-nascidos que estejam na ala Rosa, Azul e Verde, com mais de 34 semanas de idade gestacional, serão submetidos ao teste do coraçãozinho. O superintendente da MNSL, André Nascimento, disse que o teste é de extrema importância para assegurar uma vida saudável ao bebê, com relação a doenças cardíacas.

Roseane Porto explicou que a maternidade conta com profissionais aptos para a realização do teste, ressaltando que no último dia 18 aconteceu um amplo treinamento para os médicos e enfermeiros da maternidade, oferecendo a esses profissionais toda a capacitação necessária para efetuar o exame.

“O teste é simples e acontece através da colocação de um aparelho (oxímetro de pulso) no membro superior direito e em um dos membros inferiores e deve ser realizado entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar”, explicou a médica. Um ponto importante é que o recém nascido deve ter acima de 34 semanas para a realização do teste, dentro dos devidos critérios.

Cerca de um a dois de cada 1000 recém-nascidos vivos apresentam cardiopatia congênita crítica, que se não diagnosticados precocemente, podem evoluir de forma grave, inclusive com óbito precoce, antes mesmo que possa receber qualquer tipo de tratamento.

A grande importância do teste, como citou a Neonatologista, é a obtenção de forma rápida e simples, do diagnóstico precoce de grande parte das cardiopatias congênitas, possibilitando uma intervenção terapêutica adequada. O teste leva de três a cinco minutos para ser realizado e apresenta uma sensibilidade de 75% e especificidade de 99%. Dessa forma, algumas cardiopatias críticas podem não ser detectadas através dele, principalmente aquelas do tipo coarctação de aorta, que é o estreitamento (obstrução) na porção torácica descendente da aorta, maior vaso do corpo humano. Com isto, há dificuldade de passagem do sangue, provocando aumento da pressão nas artérias do cérebro e dos braços, além da diminuição da pressão nas vísceras e pernas.


Fonte: Agência Sergipe de Notícias