Sergipe

05/08/2015 às 14h26

População manifesta contra apreensão de ciclomotores em Poço Redondo

Redação Portal A8

Foto: WhatsApp
Uma manifestação realizada na manhã desta quarta-feira (05) no município de Poço Redondo acabou em confusão. Cerca de 60 manifestantes bloquearam a rodovia SE 179, em protesto contra a apreensão de ciclomotores com licenciamentos atrasados. Policiais do Grupamento da Caatinga foram acionados para dispersar o movimento. 


De acordo com Humberto Diniz dos Santos, líder comunitário, a população do município não tem como pagar os licenciamentos e as multas. “O pessoal que tem essas motos usa para poder trabalhar e não tem como pagar essas multas. O Governo prometeu que iria isentar a população rural que não tivesse condição de pagar esse imposto, mas nada foi feito”, declarou o líder do movimento. 


Ainda segundo Humberto dos Santos, os policiais desceram de um ônibus e sem que houvesse conversa começaram a agredir os manifestantes e quebraram algumas motos. “Eles usaram bombas de efeito moral e dispararam com balas de borracha contra os manifestantes, nós não fizemos nada e recebemos a agressão. Agora não podemos nem reivindicar”, declarou o manifestante que desabafou. “Queremos polícia, mas a favor do cidadão de bem e não contra o trabalhador”, concluiu. 

Foto: WhatsApp


Já o comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, Major Rollemberg, o ônibus que foi parado no bloqueio estava com policiais que estavam indo trabalhar e a reação que houve foi motivada pela ação dos manifestantes. “Os policiais desceram do veículo e um deles começou a anotar a placa de algumas motos, mas teve a caneta retirada de sua mão por um dos manifestantes”, relatou o major que destacou. “Como os policiais não estavam em serviço entram no veículo e aguardaram a chegada do pelotão da Caatinga, que usou balas de borracha para ajudar na dispersão”, relatou o comandante que garantiu que nenhum tiro foi disparado em direção aos manifestantes. 


Major Rollemberg também informou que as blitzes na região vão continuar. “Eles estão manifestando contra o cumprimento da lei, mas o nosso papel é cumpri-la e vamos continuar com as apreensões dos veículos irregulares”, afirmou.