Sergipe

25/05/2013 às 07h54

Próximo trimestre será de chuva normal em Sergipe

Redação Portal A8

Choverá dentro da normalidade à ligeiramente acima da normal. Este é prognóstico climático de tendência pluviométrica para o trimestre de junho a agosto do Nordeste, inclusive para o Estado de Sergipe. O resultado de consenso entre meteorologistas dos Centros de Meteorologistas do Nordeste (NE), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), e do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), foi concluído e divulgado na manhã de hoje, 24, no auditório da Codise.

Segundo análise da média climatológica, são esperadas mensalmente para o próximo trimestre as seguintes precipitações climatológicas para as regiões climáticas de Sergipe: No Litoral, o volume de precipitação esperado para o mês de junho será de 210,8 milímetros; de 192,5 para o mês de julho, e 126,1, para o mês de agosto.

Para a região do Agreste, o esperado dentro do parâmetro climatológico para o período é de 156,0mm para o mês de junho, de 153,2 para julho, e de 101,3 mm para agosto. No semi-árido, o nível de precipitação previsto é de 110,0mm para junho, de 110,0mm para julho, e de 65,0mm para agosto.

As temperaturas para o trimestre das três Regiões Climáticas de Sergipe variarão entre 24 a 22 graus; sendo o nível de maior temperatura na região do Litoral, com 24,3 graus para o mês de junho.

"Os dados são os melhores dos últimos três anos, quando sempre estávamos em torno da média histórica. Com a expectativa de o clima se comportar nesse trimestre de normal a ligeiramente acima do normal, a possibilidade de os aqüíferos melhorarem o volume de água, bem como os açudes naturais e artificiais é animadora. Contudo, a condição climática não estabiliza o déficit hídrico do Estado, mas minimiza os impactos causados pela seca que atingiu o Estado e todo o nordeste desde o início do ano", comentou o secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Genival Nunes, que anunciou oficialmente a condição climatológica para o próximo trimestre.

De acordo com Overland Amaral, apesar de a média climatológica ser dentro da normalidade, o consenso entre os meteorologistas adverte que "não se descarta a grande variabilidade temporal e espacial da chuva, assim como a possibilidade de episódios de chuvas intensas decorrentes da atuação de distúrbios ondulatórios de leste, no período", explicou o meteorologista da Semarh.

"O Nordeste não sofrerá as atuações dos fenômenos El Nino ou La Nina para esse trimestre. Ou seja, sem ausência ou excesso de chuvas para esse período", ressalta a meteorologista do INPE, Ester Regina Kazuko Ito.

 

Fonte: Semarh