Sergipe

11/05/2011 às 11h25

Ney Matogrosso realiza show Beijo Bandido no TTB

Saem o figurino extravagante e o comportamento exuberante de "Inclassificáveis" e entram o terno de cor clara e um quarteto de cordas

Redação Portal A8

 

Ney Matogrosso (Foto:Uol)

Saem o figurino extravagante e o comportamento exuberante de "Inclassificáveis" e entram o terno de cor clara e um quarteto de cordas. É com este novo personagem em cena que Ney Matogrosso trabalha um verdadeiro exercício de contenção no disco "Beijo Bandido" e apresenta em Aracaju nesta terça-feira (11) no Teatro Tobias Barreto.Dentro de uma atmosfera de recital, quase camerística, o sul-matogrossense de Bela Vista despe-se dos excessos para exibir sua excelência vocal num criterioso repertório de canções brasileiras.

O título "Beijo Bandido", pinçado de um trecho da música "Invento", de Vitor Ramil, é uma "liberdade poética", ele define. Algumas faixas deste seu 32º disco já fizeram parte de roteiros antigos de seus shows, como "Tango Para Teresa", que Ney abordou em "Estava Escrito" (1994). Outras, já foram gravadas em projetos com formação bem diferente da atual, como "As Ilhas", de Piazolla, e "Doce de Coco", de Herminio Bello.

De forma sedutora e magistral, Ney dá novo contorno à balada "Nada Por Mim", de Herbert Vianna e Paula Toller, à parceria de Chico Buarque e Edu Lobo em "A Bela e a Fera" e ao repertório de 14 músicas que fecha o álbum, deleitando-se de cada verso que canta. "Eu não sou compositor, então tenho que desfrutar do que a música brasileira me oferece", contou ao UOL Música em entrevista por telefone, do Rio de Janeiro.

Ney tem nas mãos um variado leque de opções para emprestar sua voz. E quando o faz, imprime na música a intenção que lhe convém. "É uma liberdade que eu tenho sendo intérprete. Eu mudo a intenção, mas não a letra, a melodia ou a composição. São as palavras que eu utilizo. Não existe uma única leitura, e eu ofereço algumas possibilidades".

Por isso, Ney garante que o resultado artístico nada tem a ver com o que ele está vivendo no momento. "Minha meta é só não ser repetitivo. Eu posso cantar uma música de amor sem estar apaixonado ou uma música triste estando alegre", conta ele, que atuou recentemente no filme "Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha", de Rogério Sganzerla.

Com informações da biografia no UOl