Sergipe

19/11/2010 às 11h18

Filme “Aos Ventos que Virão” começa a ser gravado em Poço Redondo

Mais uma vez o estado de Sergipe é destaque na produção cinematográfica nacional

Redação Portal A8

Mais uma vez o estado de Sergipe é destaque na produção cinematográfica nacional. Teve início esta semana, no município de Poço Redondo, as filmagens do longa-metragem "Aos Ventos que Virão", do cineasta Hermano Penna.

Imagens do longa (Foto:Banese )

 

A película retrata a história do ex-cangaceiro Zé de Olímpio, inspirada na vida do sergipano Zé de Julião, conhecido no cangaço como "Cajazeira", interpretado pelo ator Rui Ricardo Dias, que protagonizou "Lula o filho do Brasil". A produção abre oportunidades para talentos locais, relata o ator Antônio Sérgio, que interpretará o Lampião. "Estou muito feliz em participar desse filme. Nosso estado está crescendo para o cinema graças a incentivos como o do Banese. Coincidentemente sou segurança do banco e agora tenho o privilégio de estar nesta grande produção", afirmou o ator.

Poço Redondo foi o cenário do cangaço, local de circulação de Lampião e seu bando, recrutando jovens da região como Zé de Julião - o "Cajazeira". Reviver essa história traz emoção e saudade a familiares, afirmou José Inácio do Nascimento, filho do cangaceiro. "Estou podendo contribuir com meu testemunho para esse filme, lembrar da história de meu pai e da minha cidade é motivo de muita alegria. Não tenho palavras para agradecer o que estão fazendo por nós, Sergipe nos orgulha porque valoriza a sua história", ressaltou José Inácio.

 

De acordo com o diretor Hermano Penna, "Aos Ventos que Virão" é baseado em acontecimentos reais adaptados a um universo fictício e que

Diretor Hermano Penna (Foto:Banese )

esta recebendo todo o apoio e cooperação dos moradores locais e dos povoados Sítios Novos e Curralinho. "Sergipe já mora no meu coração, realizei outras produções como "Sargento Getúlio" e "Mulheres no Cangaço". A população nos procura, quer ajudar, participar, isso nos gratifica. Existe uma grande solidariedade com as artes, contudo sem o patrocínio que recebemos do Governo do Estado e do Banese, o filme não seria possível", observou Hermano Penna.

 

O filme conta com patrocínio do Banco do Estado de Sergipe, dentro de sua postura de apoio às manifestações culturais em nosso estado, permitindo a realização de outras produções a exemplo de: "Orquestra dos Meninos" e "O Senhor do Labirinto".