Sergipe

12/11/2010 às 13h20

Três pessoas são presas por golpes em caixas eletrônicos de bancos

Redação Portal A8

A Polícia Civil de Sergipe, através do Departamento de Defraudações e Combate à Pirataria (DEFD), do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) e da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol), prendeu no final da tarde desta quinta (11), os paulistas Ronaldo Silva, 40 anos, vulgo "Pakú" e William Alves de Queiroz, 39 anos, conhecido como "Bolão" e o carioca Fernando de Aguiar Ponte, 38 anos, o "Gordão".

O trio faz parte de uma organização criminosa especialista em golpes em cashs bancários. Os criminosos foram presos quando estavam em um shopping de Aracaju comprando equipamentos eletrônicos e telefones celulares que seriam instalados em agências bancárias da capital sergipana neste final de semana. Com eles foram apreendidos aparelhos telefônicos, celulares e equipamentos utilizados para bloquear cartões durante as operações nos caixas eletrônicos. A prática criminosa é popularmente conhecida como "chupa cabra".

"Eles instalavam os equipamentos durante finais de semana e feriados, período que não há a presença de funcionários nas agências. Quando uma vítima tentava fazer alguma transação tinha seu cartão engolido pela máquina. Ai um membro da quadrilha se aproximava da vítima se passando, também, por cliente e orientava usar o telefone instalado pela quadrilha. A vítima então era atendida por um outro integrante da quadrilha que colhia dados sigilosos da conta bancária da vítima", explicou a delegada Viviane Cruz Pessoa.

Segundo a delegada, o grupo agiu pela primeira vez em Aracaju no dia 26 de setembro e aplicaram o golpe em uma agência bancária localizada na avenida Francisco Porto. A quadrilha tem origem em São Paulo e pretendia fazer novas vítimas durante o feriadão do dia 15 de novembro. Já foi confirmado que a quadrilha lesou pelo menos seis pessoas em Aracaju com atuações em duas agências bancárias.

"Eles vinham sendo investigados desde o dia 26 de setembro. Já sabemos que eles agiram antes desta data em uma agência bancária do conjunto Augusto Franco. Acreditamos que a quadrilha atuava em outros estados do País", finalizou Pessoa.

Com informações da SSP/SE