Sergipe

09/11/2010 às 14h32

Polícia elucida crimes de estelionato

Redação Portal A8

A polícia do município de Salgado concluiu o inquérito policial a respeito da desarticulação de uma quadrilha descoberta no dia 19 de outubro quando o grupo tentou aplicar um golpe na agência do Banco do Brasil da cidade. A organização criminosa vinha realizando diversos golpes em cidades sergipanas e nos estados de Alagoas e Bahia. Foi comprovado, também, que crimes que foram registrados em Sergipe fizeram vítimas nos estados do Piauí, Maranhão, Mato Grosso e Alagoas. O delegado do município de Salgado, Eurico César, concluiu o inquérito policial.

Foram presos: Antônio Adeildo de Souza, que segundo a polícia aliciava idosos para realizar fraudes fazendo com que estes cedam fotos e assine os documentos falsificados para depois se deslocarem às agências bancárias para resgatar o empréstimo fraudulento; Carlos Evaldo de Jesus, ajudava no transporte de idosos aos bancos, prestava apoio aos falsificadores, abria contas fraudulentas em bancos e cedia suas fotos para falsificação de documentos, a fim de fraudar aposentados por tempo de serviço; Celina Silva Souza, idosa analfabeta que resgatava com diversos documentos falsificados a fraude realizada; Miguel Raimundo da Rocha, companheiro de Celina que prestava os mesmos serviços.

Sérgio Pereira da Silva era o responsável pelo transporte dos idosos estelionatários e presta auxílio às falsificações. Juntamente com seu irmão Francisco e seu colega Afonso, vulgo "Chaveirinho", chefes da quadrilha; José Francisco Pereira da Silva é o "cabeça" da quadrilha e foi quem conseguiu reunir a equipe para cometimento dos crimes. Por possuir anteriormente uma financeira na cidade de Lagarto montou todo o esquema de fraudes. É responsável pelo auxílio nas falsificações de documentos montada pelo "hacker" de alcunha "Chaveirinho"; Afonso dos Santos Batalha é considerado o integrante intelectual do bando. Conseguiu aperfeiçoar as falsificações com programas de computadores e impressoras de melhor resolução. Com ele foi encontrado carimbos dos diretores do Instituto de Identificação de alguns Estados e extratos de pagamento de contas de água em branco para servir como comprovante de residência.

A polícia busca ainda o dos integrantes de pré-nome Leandro que é natural da cidade de Olindina. De acordo com a polícia, ele aplica golpes nas cidades do interior da Bahia e atua também em Sergipe. Leandro é responsável pelo repasse de senhas e cadastros de futuras vítimas, além de aliciar idosos para os golpes. "Estamos diligenciando na tentativa de se chegar a este integrante do grupo", finalizou o delegado. Pureza Maria Machado Fontes, estelionatária que presta os mesmos serviços de Celina e Miguel, já estava presa na delegacia de Itabaiana por conta de envolvimento com o crime de tráfico de drogas. Ela será indiciada por envolvimento com o grupo, respondendo por formação de quadrilha.

Com o grupo foram apreendidos um computador, dois computadores portáteis, cinco impressoras, um aparelho utilizado para secar documentos, documentos de identidade em branco, plástico, cadastro de pensionistas, carimbos de institutos de identificação de outros Estados e três veículos: um Honda Civic, um Ford Ecosport e uma motocicleta.

Atuação

Os estelionatários iniciavam o golpe dando suporte a empresas financeiras constituídas (BMG, BV, Mercantil, etc). Eles conseguiam junto a essas empresas uma relação detalhadas de aposentadas. Com a relação de confiança estabelecida nos agentes financeiros o grupo conseguia senhas para arregimentar clientes e para fiscalizar o andamento das propostas. "Geralmente, os agentes financeiros montam sua própria financeira com um balcão e um computador, facilitando as fraudes", explico o delegado Eurico.

Com a posse da Relação recebida e dos dados dos Clientes, os fraudadores adentravam no site "google" e levantavam dados dos clientes, chegando ao detalhamento de crédito das vítimas. A pesquisa permitia que o estelionatário soubesse se o aposentado recebia através de cartão magnético ou conta corrente. "Se o benefício for recebido através de conta corrente é mais difícil de aplicar o golpe, pois há a necessidade de abertura de conta corrente dificultando a retirada dos valores. Houve tentativa por parte da quadrilha através do integrante Carlos Evaldo de Jesus", detalhou o delegado.


Se o pagamento for feito com cartão magnético o golpe é facilitado, pois o estelionatário de posse de documento falsificado em nome da vítima se apresenta no caixa da agência bancária, retirando o valor do empréstimo fraudado. "Esse saque pode ser feito em qualquer agência bancária brasileira, desde que seja credenciada", explica o delegado.

Com dados dos correntistas os fraudadores têm acesso ao valor total dos seus proventos. Descontado dos valores retirados na fonte e multiplicados pela porcentagem que geralmente é de 30% (trinta por cento) do valor do benefício, multiplicado mais uma vez coeficiente da financeira chega-se ao resultado final do valor do empréstimo a ser fraudado. "Com o valor a ser fraudado é enviada toda documentação a ser adulterada, com fotocópias de RG falsificados, para que o numerário seja retirado na boca do caixa com a aprovação da proposta", salientou Eurico.

 

Fonte: SSP/SE