Sergipe

08/09/2010 às 09h08

Homem

Redação Portal A8

O comerciante Américo Rezende denunciou na manhã desta quarta-feira (08) um funcionário do órgão de fiscalização público de Aracaju por ter cassado o ponto de venda da esposa Maria Silva Porto Resende, de 55 anos. Segundo ele, Maria Silva vendia doces na Rua Santa Luzia, bairro Centro e sendo esta a única fonte de sobrevivência da família há cinco anos foi tomada de forma injusta pelo órgão público no dia 30 de dezembro do ano passado. Ao tomar conhecimento do fato, sua esposa entrou em depressão e veio a falecer de infarto quatro dias depois.

"Ela chorava todas as noites, não aceitava o fato de terem expulsado ela. Minha esposa morreu nos braços da funcionária dela de infarto. Por ser essa a nossa única fonte de renda, isso a deixou muito abalada.Depois que ela morreu, nós demos entrada no órgão para conseguir um novo ponto de venda e até agora nada. Por isso resolvi procurar a imprensa, enquanto isso a gente passa por necessidade".

A filha de Maria Silva também denuncia o fiscal de negligência no atendimento. "Foi um absurdo a forma como fomos comunicados. Ele já chegou dizendo que se a gente não saísse, eles iam tirar as coisas, sairíamos a força de lá. Eu e meu pai estamos tentando conseguir um ponto e até agora nada. Ficaram de ligar mas nenhuma atitude foi tomada, um absurdo isso", relatou Katiane da Silva Rezende.

Resposta do Órgão Público
A Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) explicou o cancelamento da licença. "Aquele ponto de venda estava sendo transferido para terceiros e conforme consta no termo que foi inclusive assinado pelo responsável do ponto, não é permitido.O contrato também informa que a posse do ponto é pessoal, intransferível e precário. Nós lamentamos a situação e informamos que estamos analisando a proposta do comerciante e em breve vamos tomar as providências cabíveis. Pedimos também a compreensão de todos, pois o nosso trabalho é organizar a cidade e estamos cientes da situação, e reforço, estamos analisando a situação específica. Qualquer ponto que tiver irregularidades, a busca de permissão será tomada", relatou a assessora de comunicação da Emsurb, Mayussane Matsunae.