Sergipe

15/04/2010 às 15h23

Polícia apresenta detalhes sobre investigações contra o jogo do bicho

Além da identificação dos suspeitos de contravenção penal, a polícia apreendeu cerca de R$ 700 mil

Redação Portal A8
Material apreendido durante as investigações (Foto: SSP/SE)

A Polícia Civil de Sergipe prestou esclarecimentos sobre a finalização do inquérito policial que montou uma radiografia detalhada da atuação do jogo do bicho em Sergipe. O superintendente da Polícia Civil, João Batista Santos Júnior, e a delegada do Departamento Especializado em Crimes Contra a Ordem Tributária e a Administração Pública (Deotap), Daniela Garcia, esclareceram os detalhes da operação policial que culminou no indiciamento de 21 pessoas.

Além da identificação dos suspeitos de contravenção penal, a polícia apreendeu cerca de R$ 700 mil em dinheiro, veículos, dez armas de fogo, munições e uma farta documentação que comprova o envolvimento do jogo do bicho com crimes.

João Batista afirmou durante coletiva à imprensa que a prática do jogo do bicho não tem nada de lúdico, pois a ação gera muita movimentação de dinheiro que pode migrar para atividades ilícitas sem gerar riqueza para o Estado. "A questão não é simplesmente fechar as bancas do jogo do bicho, mas sim montar o esqueleto da contravenção e repassar para a Justiça. As provas e indícios da ligação da contravenção com crimes estão muito explícitos no inquérito policial e são bastante consistentes", destacou o superintendente.

"O que nos chamou a atenção foi a grande quantidade de dinheiro movimentado na contravenção. Só em uma operação na cidade de Itabaiana foram apreendidos mais de R$ 600 mil", complementou João Batista.

Ele ainda fez questão de salientar que a contravenção traz sempre a reboque as diversas modalidades de crime. "No Rio de Janeiro, por exemplo, já foram registrados mais de 150 homicídios ligados a atividade, e em Sergipe estamos tentando cortar o mal pela raiz. Essa é a resposta que damos neste inquérito policial", finalizou Batista.

De acordo com a delegada Danielle Garcia, pela primeira vez a Polícia Civil conseguiu mapear com detalhes esse esquema em todo o Estado. "Constatamos que para manter suas atividades em funcionamento muitos banqueiros se valem do dinheiro arrecadado do jogo para enriquecer e subornar policiais militares e civis", disse a delegada.


Por conta disso, além da Justiça, as Corregedorias das polícias também receberão cópias dos inquéritos a fim de abrir procedimentos administrativos contra os policiais identificados. A primeira operação contra a jogatina foi registrada na cidade de Itabaiana no dia 17 de dezembro do ano passado. Na época, a Polícia Civil apreendeu cerca de R$ 690 mil com os bicheiros e 15 mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Uma das pessoas indiciadas pela Polícia Civil foi o vereador de Itabaiana Vardo da Lotérica.

Com informções da SSP